Superliga feminina de vôlei começa com nova caça aos favoritos Rio e Osasco

A 21ª edição da Superliga feminina de vôlei começa nesta sexta-feira (7) com o atual campeão em quadra. O Rio de Janeiro, que este ano voltará a usar o nome Rexona-Ades enfrenta o Rio do Sul/Equibrasil, de Santa Catarina, às 21h30 (horário de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV. A partida foi antecipada e vale, na verdade, pela quarta rodada do primeiro turno, mas será a abertura oficial da competição.

LEIA MAIS
Vejam quais são os destaques do vôlei brasileiro para o Rio-2016

Na temporada 2014/15, a Superliga começa mais uma vez como uma caça de todos os times à dupla que domina o vôlei feminino no Brasil há 12 anos. O Rexona-Ades, comandado mais uma vez pelo técnico Bernardinho, teve as saídas das estrangeiras Sarah Pavan e Mihajlovic, mas trouxe nomes como Natália, da seleção brasileira, e Andreia, ex-Pinheiros.

Além do time carioca, o Molico/Nestlé, de Osasco, é também favorito ao título, já embalado pela conquista do título paulista na última quarta-feira (5).

O Molico/Nestlé apostou nas contratações de Dani Lins e Ivna, ex-Sesi, Lara Nobre e Samara, ex-Pinheiros, no retorno da campeã olímpica Mari, e tem como novidade a cubana Carcaces, que já foi destaque no Campeonato Paulista. Após a queda surpreendente na semifinal da última temporada, o time de Osasco teve as saídas de Sheilla e Fabíola, ambas da seleção brasileira, e das estrangeiras Caterina e Sanja.

No ano passado, o Sesi-SP conseguiu a proeza de chegar à final ao bater o Molico/Nestlé, rompendo uma sequência de nove finais seguidas entre Osasco e Rio. Este ano, porém, a equipe perdeu nomes importantes, como Dani Lins e Ivna. O time do técnico Talmo de Oliveira ganhou como principal reforço a oposta Monique Pavão, que deixou o Praia Clube de Uberlândia após a última temporada.

A dúvida sobre o desempenho do Sesi está no fracasso da equipe no Campeonato Paulista, competição na qual o time foi surpreendido e eliminado nas semifinais pelo São Cristóvão Saúde/São Caetano com duas derrotas, em casa e fora.

O Praia Clube, que mais uma vez ficou no quase na temporada passada contra o Sesi nas quartas de final, passou por uma reformulação. O técnico Spencer Lee, depois de seis anos no comando da equipe, deixou o clube mineiro e agora é treinador do Rio do Sul. Para seu lugar, Ricardo Picinin terá a missão de liderar uma equipe bastante renovada.

Saíram as gêmeas Michelle (Brasília) e Monique Pavão (Sesi), a ponteira Mari (Osasco), e a central Mayhara (Rio). Chegam Tandara, que jogava pelo agora extinto Amil/Campinas, Ju Costa, ex-Sesi, e Natasha, do Rio de Janeiro.

O Pinheiros, que nos últimos anos mostrou bom rendimento sobretudo na primeira fase, mas ainda não conseguiu passar das quartas de final, também se reforçou após perder alguns nomes importantes. Mais uma vez sob comando do técnico Wagão, o time agora tem entre as chegadas os nomes de Rosamaria, ex-São Caetano e Campinas, e Renatinha, ex-Barueri. A aposta da equipe paulista é na manutenção do entrosamento entre as três titulares remanescentes, Vivian, Ellen e Macris.

Vice-campeão paulista em campanha surpreendente, o São Cristóvão Saúde/São Caetano busca repetir o feito da temporada passada, quando chegou aos playoffs, agora com perspectivas de campanha até melhor. Chegaram dois bons reforços do Barueri, Juma e Sonaly, além da contratação de Dani Suco, ex-Maranhão. O time também conta com o retorno ao vôlei de Joyce Victalino. A equipe segue comandada pelo técnico Hairton Cabral.

Com a saída do Vôlei Amil de Campinas, a Superliga feminina terá este ano apenas 13 participantes. O Barueri também ficou fora, mas sua vaga foi preenchida pelo São José dos Campos.

Participam, ainda, o Brasília, Minas, Maranhão, São Bernardo, e Uniara, de Araraquara. Os 13 times se enfrentam em turno e returno. Vão para os playoffs os oito primeiros colocados dessa primeira fase. A partir daí, confrontos em até três jogos nas quartas e na semifinal. A decisão será em jogo único, em data a ser definida.



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.