Presidente da entidade máxima do taekwondo no Brasil diz que Anderson Silva “sumiu”

Crédito da foto: Getty Images

Se os lutadores do taekwondo brasileiro não haviam gostado desde o início da ideia de Anderson Silva disputar a seletiva visando uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2016, chegando ao ponto do fato ser classificado como “piada” por parte de Guilherme Felix, um dos expoentes da categoria no país, o “sumiço” do Spider agora é o grande problema. Um problema capaz de irritar até mesmo Carlos Fernandes, presidente da CBTKD (Confederação Brasileira de Taekwondo).

LEIA MAIS

Vovô do boxe” nocauteia jovens na Rússia; confira o vídeo
Não se masturbe nele”, diz Ronda a comprador de seu carro

A falta de retorno do ex-campeão dos Médios do UFC aos e-mails enviados pela CBTKD já era uma questão de preocupação por parte de Carlos. Porém, em entrevista ao site GloboEsporte.com, o presidente da entidade máxima da modalidade no país deixou claro que a notícia de que, segundo o empresário de Anderson, ele não teria mais a intenção de buscar vaga para 2016, foi o estopim para seu desabafo:

 “Não recebemos nenhum contato do Anderson. Aliás, para ser sincero, o Anderson sumiu. Passamos alguns emails, mas ele não tem se manifestado, não estamos sabendo o que está acontecendo. Em nenhum momento falamos que ele participaria das Olimpíadas, mas participaria do processo seletivo. Acho que o empresário dele errou nesse ponto. Mas ele não se manifestou diretamente para a Confederação. Para mim, é até uma surpresa. Acho que seria até mais ético se ele falasse isso direto com a Confederação. Porque, quando ele manifestou o desejo dele, se manifestou direto mandando uma carta. Mas também não posso afirmar que (a declaração sobre desistir dos Jogos) saiu dele. Posso dizer que passamos uns três emails para ele, que não responde. Não sei o que está acontecendo.”

Carlos ainda foi além, alertando Anderson Silva de que o evento realizado para seu anúncio de disposição a participar da Seletiva não pode ser considerado como “um circo armado” ou a situação “uma brincadeira”:

“Quando o Anderson se manifestou, veio na Confederação e enviou uma carta publicamente. Não sei se ele fez isso por um momento que estava passando. Mas isso aqui não é uma brincadeira. Não é um teatro armado. A imprensa não vai para lá, a gente não manifesta e depois fica sabendo através de empresário. E a verdade é a seguinte: ele não responde os nossos emails. Acho que quem cala consente, né? Se ele não está respondendo, está vendo o tempo passar…”

Crédito da foto: Getty Images



Jornalista formado em 2012 pela FIAM e que tem paixão por esportes, destacando-se Futebol, MMA, Basquete e Automobilismo. Foi editor e repórter do Universo dos Sports.