Opinião: O Inter de D’Alessandro #FechadoComOPlayStation

D’Alessandro decidiu acender o fósforo perto do barril de pólvora.

Adriano Schneider
Futebol e corneta sem esculhambar paixões.

Ao entrar na coletiva de imprensa durante a manhã de terça-feira deixou claro que o plantel está incomodado com o modo com que os resultados do Inter no ano estão sendo encarados por alguns setores da mídia esportiva do sul do país (escrevo em negrito a palavra ‘alguns’ antes de tudo para evitar generalizações e chorumes).

Cuidadoso em grande parte do tempo, Andrés falou sobre desgaste, resultados em 2015 e não se omitiu ou diminuiu a culpa do time pelo aproveitamento nas primeiras rodadas do principal certame nacional.

LEIA MAIS:
Aguirre treina com Valdívia no time titular e sinaliza fim de rodízio
Nilmar nega que vá sair do Inter

Logo após as primeiras respostas, D’Alessandro iniciou o desabafo sobre certo tipo de pressão e as consecutivas críticas recebidas em função das últimas derrotas. Na opinião do jogador, todas as críticas produtivas são importantes pra melhorar o desempenho. Entretanto, o exagero cometido por poucos causa desagrado.

Ao conclamar a presença do torcedor mais ao cotidiano do clube antes do confronto contra o Tigres pela semifinal da Libertadores em sete dias, veio a frase:

“Não é tudo isso que se fala lá fora. Por isso eu peço pro torcedor nos acompanhar e, sei lá, jogar Playstation. Não ouvir tanta rádio e assistir TV. Jogar Play. Quem tem filho, jogar Play porque eu jogo com o meu filho muito”.

Bum. A tarde seria de duras palavras por muitos que usam os termos “alguns jogadores” ou “tem gente no clube” e que se sentiram ofendidos pelas palavras do dono da camisa 10 colorada.

As próximas frases foram tão críticas e abertas quanto as que por vezes os jogadores recebem em seus clubes. Tentando não generalizar assim como bons profissionais também fazem em seus canais de comunicação, utilizou as palavras ‘parte’ e ‘alguns’ durante a entrevista. Ficou evidente que não são os competentes que incomodam, muito menos os que criticam coerentemente. Em seguida o capitão disse: “Quem não conhece nosso dia-a-dia e tem um microfone 24h ou faz coluninha no jornal: é complicado brigar com esses caras. Tu discute hoje e amanhã ele vai colocar de novo. E segunda, terça, quarta.”

Quase que simultaneamente muitos torcedores endossaram as palavras de D’Alessandro e não demorou pra que a hashtag #FechadoComOPlayStation tomasse conta das redes sociais, se tornando o assunto mais falado no Twitter brasileiro.

Ainda na coletiva, o maestro colorado sinalizou feroz e elegantemente a condição de que o aproveitamento e as chances do Inter em 2015 não são tão ruins: “Está se criando uma coisa de que está tudo errado, tudo mal no Inter.”

Como se fosse a bola que entrou no ângulo do goleiro Victor no jogo de volta contra o Atlético-MG na Libertadores, D’Alessandro logo emendou: “eu falo em um contexto geral. O futebol está ficando um pouquinho chato. Começando por arbitragem, começando por essa mudança que eu acho que não está dando certo. Só no final de semana anterior tivemos três ou quatro jogos com erros de arbitragem que incidiram no resultado do jogo.”

Ao absorver pra si boa parte da atenção antes voltada para os maus resultados dos times mistos de Aguirre, D’Alessandro jogou inteligentemente sem a bola trazendo um pedaço do bolo de crise pra si. E mais uma vez torcida e jogadores se colocaram lado-a-lado. Depois da campanha #FechadoComOAguirre, parte da torcida colorada novamente abraçou o ídolo colorado e suas ideias.

Ao fim do dia, o ato final: no Instagram, Valdívia publicou uma foto de parte do elenco na concentração jogando…Playstation.

Imagem: Reprodução/Instagram