O Inter é o time mais desgastado do Brasil

Duas voltas ao redor do mundo. Isso mesmo. Ao final de 2015 o Inter deverá atingir essa marca ou até mesmo ultrapassá-la ao bater os 80 mil quilômetros percorridos pra disputar as quatro competições do ano: Campeonato Gaúcho, Copa Libertadores da América, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro.

Adriano Schneider
Futebol e corneta sem esculhambar paixões.

LEIA MAIS:
Vitinho leva amarelo em comemoração e gera polêmica; assista o vídeo
Valdívia leva carrinho de Argel em treino e brinca no Instagram: “#pokocarrinho”

Até a rodada do último sábado, quando o time colorado venceu o Coritiba por 1 a 0 na capital paranaense, o Inter já havia viajado mais de 72 MIL QUILÔMETROS entre idas e voltas até a cidade de Porto Alegre, considerando distâncias em linha reta. Nenhum outro clube brasileiro jogou tanto e se movimentou como a delegação colorada nessa temporada.

Em que pese o discurso sobre rodízio de jogadores proposto pelo ex-técnico colorado Diego Aguirre, a verdade é que a perna pesa não só pela quantidade de jogos mas também pelo tempo fora de casa para recondicionamento e recuperação física.

São 59 partidas até aqui e esse número poderá chegar aos 78 jogos após o término do Brasileiro e caso o clube gaúcho chegue às finais da Copa do Brasil. O segundo time que mais jogou no Brasil entre os que estão disputando a Série A é o Sport Recife, com 55 jogos após a rodada deste final de semana no Brasileirão. Terão sido 25 jogos pelo certame nacional, 6 pela Copa do Brasil, 10 pela Copa do Nordeste e outros 14 pelo Campeonato Pernambucano.

Equipes como Corinthians, São Paulo e Grêmio disputaram até agora nesse ano não mais que 52 partidas nas competições que disputaram e ainda disputam. Em termos de comparação, o Corinthians percorreu menos que a metade da distância atingida pelo Internacional.

Esse é preço que se paga pela vida de jogador profissional de futebol em um clube de ponta: bastante tempo fora do próprio lar, concentrações e viagens contínuas, destinos às vezes muito distantes, pressão e a necessidade de manter foco e bons resultados. A exigência ao plantel do Inter em 2015 é do tamanho do clube. O título do Gauchão veio, a Libertadores teve um gosto amargo de terceiro colocado. Pela frente dois jogos das quartas-de-final da Copa do Brasil e um ensaio de reabilitação na reta final do Brasileirão.

Mesmo consideradas as ponderadas críticas ao desempenho físico do colorado durante o ano, há que se levar em conta que são, no mínimo, 7 partidas a mais no ano que o líder do Brasileirão. Em um esporte de alto rendimento como o futebol é notável que a corda está mais esticada sem sombra de dúvidas para o time colorado.

É um Inter constantemente posto à prova. Rodado. Viajado. Cansado. O Inter é o time mais desgastado do Brasil e precisa encontrar forças pra seguir buscando um bom lugar ao sol até o fim de 2015.

Imagem: Divulgação/Sport Club Internacional