Ex-lateral do Olé-SP é campeão Amador de Ribeirão Preto e busca clubes para 2016

Em busca de novos ares em 2016, o ex-lateral do Olé Brasil Rafael Faiani não esconde a expectativa por defender clubes da região de Ribeirão Preto. Pelo Pinguim, o atleta disputou todos os jogos sendo destaque na defesa da equipe.

LEIA MAIS:
De volta ao cenário nacional: 2015 entra para a história do Botafogo-SP
Destaque do Olé Brasil, volante não esconde desejo em defender clube da região
Ex-Olé Brasil-SP mostra interesses por clubes do interior paulista

“Como o contrato com o Olé acabou em novembro continuei treinando. Vivemos um dia após o outro. Tenho batalhado bastante para ajudar a equipe que me der a oportunidade de voltar a jogar futebol profissionalmente. A temporada foi boa. Atuei em todos os jogos e pude contribuir com minha equipe para alcançar bons resultados”, destaca Faiani.

No Olé Brasil, ele afirma que foi uma das melhores temporadas dentro de campo. “Meu desempenho foi bem melhor que eu esperava. Pude ajuda a equipe em algumas vitorias mas, infelizmente, não conseguimos o acesso. Graças a Deus tive a chance de vestir a camisa do Olé Brasil e quando eu entrava não desperdiçava a oportunidade” conta.

Além da boa temporada pela equipe de Ribeirão Preto, Faiani atuou pelo Hawaii no Campeonato Amador da cidade para não perder o ritmo e foi campeão neste domingo ao vencer o Vila Virgínia por 2 a 1.  “Como terminei a competição pelo Olé e não tive propostas, optei por disputar o torneio. Depois de 14 vitórias, chegamos ao título. Isso ajuda na visibilidade dos jogadores”, destaca o jogador.

O atleta acredita que 2016 estará em atividades. “Minha expectativa para a próxima temporada é continua fazendo o que mais gosto que é jogar futebol. Estou no aguardo de alguns clubes, mas vou continuar trabalhando forte”, encerra.

Fotos: Guilherme Galdino/Torcedores.com



Ribeirão-pretano com orgulho e apaixonado por todas as modalidades esportivas. Jornalismo esportivo é uma das paixões que carrego em meu peito. Sonhar é o que mantém o Homem vivo. "O Homem não morre quando deixa de existir, e sim quando deixa de sonhar".