Alex revela proposta do Grêmio em 2002: “Estava propenso a aceitar o desafio”

Getty Images

Por muito pouco, o Grêmio não fez parte da trajetória vitoriosa do meia Alex no mundo do futebol. De volta ao Brasil depois da experiência frustrada no Parma em agosto de 2002, o jogador foi procurado pelo São Caetano – na época, uma das forças do futebol brasileiro. No entanto, o então técnico do clube do ABC paulista, Mário Sérgio, não se animou com o negócio e rejeitou a contratação. Sem rumo e sem time, Alex só queria jogar futebol.

MAIS NOTÍCIAS:

Inter acompanha situação do Corinthians e não descarta herdar vaga na Libertadores

Alex revela conselho de Felipão: “Muita honestidade não vai te levar a lugar nenhum”

No horizonte, duas opções: o Cruzeiro, clube em que havia o dispensado por telefone em 2001, e o Grêmio. Após a primeira experiência extremamente frustrada em Minas, Alex estava decidido: iria para Porto Alegre.

“Sobravam duas opções, Grêmio ou Cruzeiro. Para o Cruzeiro eu tinha jurado que não voltaria mais. No escritório do Juan Figer (empresário), soube que as propostas eram idênticas (…) Os times eram parecidos. Se o técnico do Grêmio era o Tite, o técnico do Cruzeiro era o Luxemburgo. Argumentei que a família da Dai (esposa de Alex) era de Porto Alegre e tem certa relação com o Grêmio. Sempre tive respeito pelo tricolor gaúcho, trabalhei com muita gente de lá. Estava propenso a aceitar o desafio”, disse.

No entanto, uma ligação telefônica mudou todo o planejamento de Alex. Quando o celular tocou, o meia viu que era Vanderlei Luxemburgo do outro lado da linha. Atendeu e ouviu uma tentadora proposta do treinador.

“Ele disse que ninguém me queria no Cruzeiro: presidente, diretor, supervisor. Disse que também que uma pesquisa mostrava que a torcida tinha a mesma opinião. Mas ele foi enfático: disse que me bancava, que montaria o time em cima das minhas características e que, se desse errado, a culpa seria dele”, acrescentou Alex.

Nesse momento, o meia sentiu uma relação de cumplicidade que há tempos buscava em sua carreira. Não teve escolha: deixou o Grêmio de lado, arrumou as malas e foi para Belo Horizonte. Com Luxemburgo na área técnica, Alex viveria a melhor temporada da sua carreira no ano seguinte, sendo o protagonista da Tríplice Coroa do Cruzeiro em 2003.

Getty Images



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.