Rafinha se torna cidadão alemão e diz que brasileiros deveriam criticar a CBF

Em entrevista ao canal SporTV, o lateral direito Rafinha revelou o que quase todo mundo já esperava: se tornou oficialmente cidadão alemão. O jogador mostrou o seu novo passaporte e levantou novamente a questão da recusa da Seleção Brasileira, quando foi convocado por Dunga há cerca de três meses.

LEIA MAIS
Palmeiras garante R$5,4 milhões na Libertadores; valor pode chegar a R$29 milhões
Libertadores 2016: Gigantes paulistas podem cair no mesmo grupo

“Isso é bom pro meu futuro. Faz 10 anos que estou na Alemanha. Não sou mais extracomunitário, agora posso jogar na Inglaterra, por exemplo. Na Itália eu não ocupo mais lugar de estrangeiro”, comentou o jogador, ao SporTV. Rafinha ainda comentou o fato de ter recusado a Seleção Brasileira há cerca de três meses.

“Se eu estou jogando em uma equipe como o Bayern de Munique e não estou sendo chamado na seleção, eu tenho que pensar em mim e em outras situações na minha carreira”, disse. “Eu já tinha tomado a decisão há algum tempo. Antes dessa convocação, não existia ninguém me pedindo na seleção brasileira”, explicou Rafinha.

Após ter a sua cidadania alemã deferida, Rafinha chegou a participar de um programa de televisão na Alemanha, onde os apresentadores chegaram a lhe presentear com uma camisa da seleção campeã do mundo em 2014 com o seu nome nas costas.

No entanto, jogar pela seleção alemã poderá ser uma tarefa difícil, bastante burocrática. Isso porque Rafinha disputou, além de alguns amistosos, um mundial sub-20 com a seleção brasileira. Segundo a alínea de número 1, do artigo 8 do Anexo III dos Estatutos da Fifa, o jogador precisaria já ter dupla cidadania nesta época para que, no futuro, pudesse também atuar com os alemães.

CBF

Em entrevista ao UOL Esporte, Rafinha retomou o assunto “CBF” e fez críticas ao órgão, bem como incentivou os atletas a criticarem também.

“Eu fico triste porque no Brasil a gente sempre culpa o treinador e o jogador, mas os que vêm de cima também têm atrapalhado bastante”, comentou. “Os líderes da seleção poderiam ter uma opinião mais forte. O pessoal tem de falar, se posicionar, criticar. O contexto ali da CBF não deixa o jogador falar. Eu estive lá muitas vezes, sei como é”, disparou o jogador do Bayern.

Foto: Reprodução / SporTV