Opinião: Qual é o grupo da morte da Libertadores, afinal?

Reprodução/ Facebook oficial Copa Libertadores

Foram sorteados na cidade paraguaia de Luque, nesta terça-feira, os times que irão compor os grupos da próxima Libertadores da América. E na etapa inicial, o São Paulo parece ter tirado a sorte grande, pois seu adversário será o modesto César Vallejo, do Peru, sendo a partida de volta no Morumbi.

LEIA MAIS:
Enquete: qual clube brasileiro se deu melhor no sorteio de grupos da Libertadores? Vote

Desta vez, houve bastante equilíbrio nos sorteios, mas há dois ou três grupos um pouco mais acirrados. Analisando caso a caso, temos um grupo 1 com dois grandes participantes, que seriam o River Plate e o São Paulo – caso este último confirme sua classificação, obviamente. O restante, não ameaça. O grupo 2 é um candidato a grupo da morte, com Palmeiras junto com Nacional do Uruguai e Rosário Central, da Argentina, e ainda correndo o risco de terem o Universidad do Chile como último rival. Bem espinhoso.

No grupo 3, o adversário mais perigoso do Boca Juniors é o Deportivo Cali, da Colômbia, com o risco de terem o argentino Racing como adversário depois da fase inicial. No grupo 4, Peñarol e Atlético Nacional, da Colômbia, são os grandes candidatos à fase seguinte, podendo ter o argentino Huracán, vice-campeão da última Sulamericana, como adversário.

No grupo 5, pode-se dizer que o Galo se deu bem, tendo como principal rival o chileno Colo Colo e, talvez, o Guarani do Paraguai, que foi semifinalista da última Libertadores. Já o grupo 6 é um grupo difícil, com o Grêmio encarando o mesmo San Lorenzo que o eliminou na penúltima edição, além da LDU equatoriana – que já foi campeã com o Edgardo Bauza, atual técnico do São Paulo – e o mexicano Toluca.

No grupo 7, os já tradicionais Olímpia do Paraguai e Emelec do Equador fazem o duelo principal, com a presença dos venezuelanos do Táchira e do mexicano Pumas. E finalmente, no último grupo, o Corinthians não deve passar sufoco, tendo a seu lado o paraguaio Cerro Portenho e, talvez, o Independiente de Santa Fé, da Colômbia, como rivais mais fortes.

Dentro dessa perspectiva, temos grupos mais equilibrados que nas últimas edições. Mas se alguém pode se queixar da sorte entre os brasileiros, seguramente são o Palmeiras e o Grêmio. Agora é esperar para conferir o desempenho de cada um na principal competição de futebol do continente. E boa sorte para todos.

Crédito da foto: Reprodução/ Facebook oficial Copa Libertadores



Redator, professor e compositor. Tive a honra de começar minha jornada no Departamento de Telejornalismo da Bandeirantes, junto a Mauro Beting. Fã dos esportes em equipe, sou um devoto dos torneios internacionais. Acredito que o futebol, como qualquer paixão, tem que ser vivido no coração e na mente. Sem excessos e com bom senso.