Mercado da bola 2016: Diretoria entra em consenso e São Paulo tentará contratação de Lugano

Divulgação / site oficial do São Paulo

Em entrevista ao LANCE!, o presidente do São Paulo, Leco, confessou que a diretoria irá atrás do zagueiro e ídolo da torcida são paulina Diego Lugano. Após aval do novo técnico do clube, Edgardo Bauza, o vice-presidente de futebol, Ataíde Gil Guerreiro, admitiu que haveria uma conversa para definir se o São Paulo iria de fato investir na contratação do uruguaio.

LEIA MAIS:
Mercado da bola 2016: Dirigente diz que consenso pode trazer Lugano de volta ao São Paulo
Mercado da bola 2016: São Paulo pode dar “chapéu” no Cruzeiro para contratar meia do Estudiantes

Leco contou que já liberou o diretor-executivo do Tricolor, Gustavo Oliveira, para tomar a frente da situação. Veja as palavras do presidente:

Nós temos que focar esse assunto agora com a visão de que se o treinador quer, se a torcida está solicitando tudo isso, se nos conseguirmos estabelecer condições propicias pra negociação, ela pode acontecer. Sim (Bauza deu o aval). Agora nós precisamos sentar e discutir o assunto juntos. Ainda não fizemos isso, pois tivemos uma série de compromissos e acontecimentos marcantes na dinâmica atual do São Paulo.

Os rumores sobre o possível retorno de Lugano aumentaram após o jogo de despedida de Rogério Ceni no Morumbi, em 11 de dezembro. A euforia da torcida em ver o uruguaio em campo foi mais que suficiente para pressionar os dirigentes do clube.

Durante entrevista para a imprensa argentina, Bauza deixou claro que gostaria de ver Lugano no elenco do São Paulo em 2016, por ser um ídolo no clube, e isso pesou na decisão da diretoria de buscar o zagueiro.

Atualmente, Lugano defende o Cerro Porteño, do Paraguai. Quando foi contratado, o jogador exigiu que em seu contrato houvesse uma cláusula que o liberasse de graça para o São Paulo, caso o clube tivesse interesse em seu retorno.

 

Foto: Divulgação / site oficial do São Paulo



Estudante de Jornalismo da Universidade São Judas. Comecei o ensino superior fazendo exatas, mas apanhei mais que o Brasil contra a Alemanha na Copa de 2014, todo dia era um 7x1 diferente. Então decidi fazer o que eu amo mesmo. Não nasci chorando.