Opinião: Conta outra, Del Nero!

Marco Polo Del Nero segue, de algum modo, presente nas manchetes de jornais, TVs, sites e rádios brasileiras, com as mais diversas artimanhas e demonstrações de apego ao poder, além de bravatear que é inocente e que provará sua inocência nos órgãos competentes.

Ele pode fazer o que quiser, se dizer inocente, etc. Porém, se pesa acuação, o mais natural a ser feito é ir até onde seja acusado e defender-se, seja aqui em São Paulo, Brasília, Rio, Zurique, Nova York… O problema maior é que Del Nero é um homem com discurso desconexo de suas ações, ou bem no popular… “Conta outra, Del Nero!”.

Desde maio ele não viaja ao exterior, não responde perguntas em coletivas, tenta vender a imagem de homem probo e honesto na CPI, mas ninguém vê nele uma imagem pura, limpa e cristalina de alguém inocente, que se possa dizer que botaria a mão no fogo.

Agora, ele aparece com a novidade indicando que aceita ir aos Estados Unidos defender-se na Justiça dos Estados Unidos de todas as acusações imputadas contra ele, mas que segundo o blog de Rodrigo Mattos, no UOL, ele está sem dinheiro. Aí eu te pergunto, caro leitor, o presidente licenciado da CBF está realmente sem dinheiro, ou está querendo que façamos uma “vaquinha”, ou como se diz nestes dias atuais, um “crowfunding” para pagar sua passagem, taxas e fianças para os Estados Unidos?

Para quem gastou com “namoradas” e afins, além de embaçar muito para tomar uma simples atitude, ou ele está realmente sem um centavo na sua conta, ou ele não quer pedir auxílio à CBF, ou ele está sendo leviano, dando a entender que essa informação de que quer ir aos Estados Unidos defender-se seja uma mera patacoada.

Se ele realmente tivesse toda essa vontade de defender-se e provar sua inocência, ele já teria feito isso há muito mais tempo. Então, Marco Polo, tenho algumas sugestões para quem como você diz estar sem dinheiro: Que tal ir até Chuy, na fronteira gaúcha com o Uruguai, Paso de los libres ou Puerto Iguazu, com a Argentina ou mesmo Ciudad de Este, entre Foz do Iguaçu e o Paraguai, além de outras opções. Uma vez que entrar nestes países é estar no exterior, seria mais fácil você conseguir uma extradição para os Estados Unidos e lá defender-se, ou vai seguir a vida toda fingindo querer estar bem e além de iludir-se, nos irritar?

Foto: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados