Gabriel, do Fort Lauderdale Strikers, fala sobre Luxemburgo, Grêmio e Inter

Esta é mais uma daquela série de notícias “lembram dele?”. O lateral Gabriel, que já vestiu as camisas de Grêmio, Inter, Fluminense, entre outros clubes. Hoje, ele defende o Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos. Em entrevista exclusiva para o repórter João Batista Filho, da Rádio Bandeirantes, o jogador falou sobre sua carreira no Rio Grande do Sul, o técnico Luxemburgo e o futebol americano.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Divulgação: site oficial do Fort Lauderdale Strikers

LEIA MAIS:

Mercado da bola 2016: Lateral da seleção inglesa fecha acordo com time da MLS

Jogador da MLS é esfaqueado e Miss Washington é a principal suspeita

MLS: Time de Kaká não poderá estrear seu novo estádio em 2016

Atualmente atuando pelo Strikers, time administrado por uma grande equipe de sócios, como por exemplo Ronaldo Nazário e Ricardo Geromel (isso mesmo, irmão do zagueiro do Grêmio), Gabriel disse que só veio para o Grêmio em 2010 por causa do técnico Renato Gaúcho. Na época, o lateral estava no Panathinaikos da Grécia, o problema é que o país vivia uma crise financeira e o jogador queria sair o quanto antes de lá.

No Grêmio, jogou de 2010 até 2013, viveu bons e maus momentos. Após desentendimentos com a torcida tricolor e um mau rendimento dentro de campo, o preparador físico Paulo Paixão saiu do Tricolor e foi para o Colorado. E nessa troca de clube, Paixão convidou Gabriel para se transferir ao rival. Depois de algumas conversas com dirigentes e empresários, o negócio foi concluído e o lateral saiu do lado azul para o lado vermelho. “No Inter fomos campeões gaúcho e tivemos bons momentos”, complementa o atleta.

Sobre o técnico Vanderlei Luxemburgo, que treinou o Grêmio entre 2012 e 2013, Gabriel disse que prefere não falar muito sobre o treinador, mas deixou escapar algumas boas frases. Sobre a rescisão com o Tricolor e a ida para o Internacional, o lateral disse: “Luxemburgo não quis me utilizar, não entendo o por que, mas respeito, dai entramos em um acordo e achamos melhor rescindir”.

Quando questionado sobre a relação entre jogador e técnico, Gabriel preferiu não se estender muito no assunto: “Deixa o Luxemburgo lá na China ganhando o dinheirinho dele, deixa ele lá, não vamos falar dele”. E para finalizar o assunto Luxemburgo, o lateral disse que já “abstraiu” os acontecimentos e agora é vida que segue.

 

Gabriel contou também que seus planos eram de morar nos Estados Unidos, e com a proposta que recebeu dos Strikers, foi a combinação perfeita de fatos. “Eu já queria vir morar em um futuro próximo nos Estados Unidos, mas acabou acontecendo essa proposta e eu estou adorando”, disse o jogador. O lateral também quer trazer sua família para Fort Lauderdale, quer se instalar em solo americano e construir um projeto. Sobre o tal plano, ele disse: “Meu plano de vida após encerrar a carreira é ajudar crianças carentes com o pouco que aprendi no futebol”.