Torcedores – Notícias Esportivas

Opinião: Se não vai na técnica, vai na raça – São Paulo 1 x 0

Caro torcedor do São Paulo, já dizia o sábio que Libertadores nunca é fácil, nem nos seus pormenores! E jamais tal frase foi tão bem empregada para descrever um jogo do torneio mais querido pela coletividade são-paulina. A áurea mística que normalmente envolve o Morumbi nas noites de Libertadores, fora transferida para o Paulo Machado de Carvalho que, abarrotado, sofreu até os 40 minutos da segunda etapa para soltar o grito que esteve preso durante a peleja.

Wesley Alencar
Jornalista."Foi difícil chegar onde cheguei, mas ainda não cheguei a lugar nenhum" - Lucas Silva, Flamengo

Crédito: Crédito da foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

LEIA MAIS:
São Paulo: Diretor classifica clássico contra o Corinthians como jogo comum

Desde o início a partida foi muito truncada. Com 15 minutos de jogo já haviam mais faltas do que tempo de bola rolando. O São Paulo encontrou dificuldade ímpar para poder implementar seu estilo de jogo – só conseguiu encaixar algumas jogadas depois dos 25, 30 minutos e ainda assim, nenhuma com real perigo de gol à meta de Libman. Em nenhum momento lembrou o futebol vistoso da semana passada; foi pouco demais para quem queria passar convencendo.

Nos 15 primeiros minutos da segunda etapa, o Tricolor fez mais que no primeiro tempo inteiro, conseguiu ter volume de jogo, profundidade, e até conseguiu um penal – desperdiçado por Michel Bastos – e mesmo com o pênalti perdido não se abateu e continuou com o ritmo. O São Paulo eve o controle do jogo em todo tempo, Dênis mal trabalhou (mas cá entre nós, era obrigação ter tamanho controle do jogo). Contudo, o tempo passava, a bola teimava em bater na trave (foram duas seguidas!!!) e o nervosismo tomou conta.

Quando a técnica não sobressai, tem que ir na raça, e isso não faltou em Hudson, Thiago Mendes, (e pasmem!) Wesley e Carlinhos. Os dois últimos entraram e deram um novo gás para a equipe. Justiça seja feita ao Lucão, que sofre com o temor da torcida e fez uma partida segura, quando a bola passou por seus pés, encontrou tranquilidade para sair jogando e nenhuma saiu “quadrada”.

Se tem algum jogador que tem estrela, este cara já tem nome de um mito: Rogério! Foi ele quem carimbou a vaga à pré-Libertadores, e quis o destino que, viesse mais uma vez do banco para, numa bola rebatida, sair o sofrido e suado gol da classificação à fase de grupos. É bom tê-lo por perto, é querido pela torcida e é iluminado quando no decorrer da partida (Internacional, e Goiás que o digam). Evocando mais uma vez os antigos, eles também dizem que essa camisa pesa, e na Libertadores ela brilha muito mais intensamente do que em outras competições.

Vaga assegurada, hora de trabalhar e procurar melhorar, já que em nosso grupo estarão Trujillanos (VEN), The Strongest (BOL) e River Plate ([ARG] o atual campeão). O São Paulo voltará a campo domingo no clássico frente o Corinthians fora de casa, às 17h, e já na próxima quarta-feira, às 19h30, no Pacaembu, estreia na fase de grupos frente o aurinegro boliviano.