Em tempos de Páscoa, relembre cinco chocolates históricos em clássicos Gre-Nal

Gre-Nal
Divulgação/Grêmio

O chocolate, simbolo tradicional da celebração de Páscoa, apresenta um outro significado quando levado ao futebol. Nele, é sinônimo de massacre, grande atuação de um time e habitualmente goleada sobre algum oponente. E o clássico mais famoso do Rio Grande do Sul já reuniu belos chocolates em sua história, para coelhinho nenhum botar defeito. Reunimos, nesse post, cinco tradicionais goleadas do Gre-Nal.

Grêmio 2×5 Inter – 1997

Por muitos anos o Inter se gabava de ter feito 5 gols no rival. O feito no Brasileirão de 1997 só perdeu peso no ano passado, quando o Grêmio deu o troco e também fez 5. Naquela partida, disputada no estádio Olímpico, o folclórico atacante colorado Fabiano foi o grande destaque e saiu como o nome do jogo.

Inter 4×1 Grêmio – 2008

Em uma das primeiras grandes exibições de Andrés D’Alessandro com a camisa do Inter, o colorado aplicou 4×1 no Grêmio pelo Brasileirão de 2008 e atrapalhou a caminhada do rival, que, naquele ano, brigava pelo título da competição.

Inter 4×1 Grêmio – 2014

O mesmo placar se repetiu seis anos depois. Pela grande final do Gauchão de 2014, o Inter de Abel Braga atropelou o Grêmio em Caxias do Sul e faturou a taça. Alex, D’Alessandro e até Rafael Moura, quem diria, foram os grandes nomes do jogo.

Grêmio 4×1 Inter – 2014

Mas a resposta não demoraria a ser dada. No mesmo ano, o Grêmio devolveu o placar em jogo válido pelo segundo turno do Brasileirão. Soberano na partida, o tricolor não deu chances para o adversário e fez por merecer a goleada. Destaque para o argentino Alan Ruíz, que entrou, fez dois gols e foi expulso, sendo ovacionado pela torcida.

Grêmio 5×0 Inter – 2015

Um legítimo chocolate. O Grêmio não perdoou a péssima fase do Inter, que vinha de uma eliminação na semi da Libertadores e de maus resultados no Brasileirão. Inapelável, o time de Roger Machado perdeu até pênalti e dominou o jogo todo. O placar de 1997 estava pago.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.