No futebol chinês, cresce o salário e diminui o amor à camisa

Da esq. p/ dir: Jackson Martínez, Ramires, Jádson, Ricardo Goulart, Lavezzi. Foto: Todas as imagens foram retiradas do Instagram dos jogadores

Lavezzi, Jackson Martínez, Ramires, Paulinho, Ricardo Goulart, Alex Teixeira, Diego Tardelli. Todos esses jogadores têm futebol e talento para disputarem as maiores ligas do mundo. Entretanto não é o que acontece. Todos eles jogam na liga chinesa, e o principal motivo para abandonarem as grandes ligas é o alto salário. Mas será que realmente só o salário influencia para abandonarem a mídia, o estrelato e rumarem a um futebol totalmente desconhecido?

Goulart an injury doubt for Evergrande
Gourlat foi eleito o melhor jogador do Camp.Brasileiro 2014, e em 2015, repetiu o feito na China. Foto: DIVULGAÇÃO/ Site Oficial da FIFA/ AFP

LEIA MAIS

Veja a seleção com os melhores jogadores do futebol chinês

5 coisas que você não sabia sobre o futebol chinês

As crianças de hoje em dia, sonham em jogar ou no seu clube de coração ou nos grandes clubes europeus. São estes os clubes que dominam o futebol mundial e onde encontramos os melhores jogadores do mundo. Jogando em grandes clubes da Europa, o atleta terá tudo o que sonha. Mídia, estrelato, salário, fama. Não é o sonho apenas de crianças, como o de qualquer jogador de futebol. Através desses clubes, o jogador provavelmente chegará a tão sonhada seleção nacional. Para um jogador brasileiro, o maior orgulho era vestir a amarelinha. Vestir a tão sonhada 10 de Pelé, Zico, era o que os meias almejavam. Só que isso passou, os tempos mudaram, o salário de um jogador passou a ser o fator mais importante em sua carreira, times tradicionais como o Man Utd, Milan, Roma, deram lugar aos afortunados PSG, Man City, Chelsea. Com isso o sonho da criança, que outrora era fascinada com a bola, também mudou. O “moleque” que jogava na várzea, nos campos de terra, que queria ser jogador de futebol porque amava o esporte e também poderia dar uma casa a sua amada mãe, deram espaço ao menino que cria expectativas em clubes, através de seu overall no vídeo-game. Não há quem culpar por termos uma geração tão mudada, mas se ontem o sonho da criança era jogar na Europa, qual será o seu sonho amanhã? Já que seus ídolos têm abandonado isso para se afortunarem ainda mais no grosso futebol chinês. Talvez podemos culpar o capitalismo selvagem, que faz qualquer um querer ganhar mais e mais. Abandonar uma carreira sólida, desafios, a torcida apaixonada, para ir jogar por salário mais altos do que já ganhavam (e não é pouco) é o que cada vez mais intriga o amante do futebol. Os clubes chineses ostentam a fortuna do investimento do governo e das grandes empresas do país. Clubes da segunda divisão, contam como donos, os maiores empresários do país. Se antes, no Brasil, um jogador da Série A jamais sonharia em disputar a segunda divisão, isso já é passado. Jogadores que eram ídolos em seus clubes, como o Jádson, Luís Fabiano, Geuvânio, foram jogar em um clube da segunda divisão que foi goleado pelo Bragantino. Não desvalorizando o alvinegro paulista, mas por aí podemos perceber o tão famigerado e grotesco nível do futebol destas bandas.

O amor pelo futebol é raro, a realidade agora é outra. Respondendo à pergunta feita no primeiro parágrafo, não há explicação plausível, a não ser salarial, para abandonar o futebol e ir jogar o “futebol chinês”. Renato Augusto disse em recente entrevista que o futebol da China é o que mais cresce. Não há como discordar. Cada vez mais o pensamento ambicioso do jogador, toma conta do esporte. A busca pelo capital é extrema. Se a liga chinesa é a que mais cresce, consequentemente esse amor que tanto falo pelo futebol, só tende a diminuir. Não é exagero preocupar com a ascensão meteórica do futebol na China, exagero é provar e jogar na nossa cara, o quanto o futebol está se tornando um comércio. Quando o dinheiro fala mais alto que o amor à camisa, temos que mostrar para quem se preocupa apenas com o lucro salarial, que ainda como torcedores, somos apaixonados por nossos clubes e que jamais abandonaremos o nosso tão glorioso e tão querido futebol.