Opinião: David Luiz conseguiu algo impensável no Brasil atual

Fazia tempo que um país que se encontra dividido politicamente não tinha uma razão clara e evidente de união. Neste sábado, seja você tucano, petista, católico, evangélico, espírita, budista, trabalhador, aposentado, desempregado, ou que mais for está unido num ideal, que é o do afastamento de David Luiz da Seleção Brasileira.

Desde a Copa do Mundo disputada em gramados brasileiros, em particular desde o trágico jogo do Mineirão, em que o Brasil levou sua maior goleada na história da competição que não há uma voz a favor do atual defensor do Paris Saint Germain.

O paulista de Diadema é originariamente um jogador destro, e ao lado de Thiago Silva ou Miranda, também destros, acaba sendo um convite para os atacantes adversários realizarem festas na defesa nacional. Claro que ele tem suas qualidades, como boa arrancada, antecipação, etc. Contudo, nesta sexta-feira, ele perdia na corrida de Luiz Suárez, um atacante um pouco mais baixo e até mais pesado que ele.

Percebe-se que o jogador parece perturbado desde os 7 a 1, uma vez que ele tenta a todo custo ser o líder que não foi, acertar o que ainda não acertou e jogar a bola que não tem para ficar bem com o treinador e a população. No entanto, talvez seja o caso de David Luiz fazer um exame de consciência e ver que Seleção para ele, não dá mais, ou pedir um tempo de qualquer convocação e fazer um tratamento psicológico.

Por mais que você seja um cara legal, correto, cordato, nem sempre há como insistir numa coisa que está escancaradamente evidente. Antes que ele cometa mais um erro grotesco, ou uma série que custe derrotas ou até mesmo uma ida à próxima Copa, ele deveria dar espaço a outros jogadores com melhor qualidade técnica e momento.

Nisso recai uma pergunta para Dunga. Porque insistir teimosamente com David Luiz. Thiago Silva estava no grupo da Copa passada, não atuou nos 7 a 1, mas joga muito mais bola que seu então companheiro de zaga. Gil, Marquinhos, Felipe, Pedro Geromel, entre outros estão em momentos melhores e merecendo oportunidades no selecionado nacional.