Opinião: Quem é o maior problema do Palmeiras hoje?

Crédito da foto: Facebook Oficial do Palmeiras

Cercado pela crise, O Palmeiras não vence a três jogos. No Paulistão, encontra-se fora da zona de classificação, na terceira colocação. Já os maus resultados pela Libertadores culminou na demissão do técnico Marcelo Oliveira e na chegada de Cuca. Mas de quem é a culpa pelo atual momento do clube: Diretoria, jogadores ou treinador?

LEIA MAIS:
VEJA A PROVÁVEL ESCALAÇÃO DO PALMEIRAS PARA ENCARAR O ÁGUA SANTA
PALMEIRAS DÁ CAMISAS PERSONALIZADAS PARA O IRON MAIDEN: “SÓ FALTOU O EDDIE”
MANCHA VERDE CHAMA PAULO NOBRE DE “PLAYBOY MIMADO” E REBATE NOTA DO PALMEIRAS

A derrota para o Nacional, do Uruguai, em pleno Allianz Parque por 2 a 1, decretou aquilo que já sabíamos: a queda do técnico Marcelo Oliveira. Isso porque, apesar de ter sido mantido até então, o time no qual assumiu 9 meses antes não correspondeu, mesmo com a conquista da Copa do Brasil 2015.

O “bombeiro” palmeirense, Alberto Valentim, ficou responsável de comandar a equipe em partida válida pelo Campeonato Paulista, diante o rival São Paulo. E foi bem, soube anular as principais armas do time tricolor e com contra-ataques velozes, matou a partida em 2 a 0. Parecia que tudo voltaria ao normal, não é mesmo? NÃO!

Paulo Nobre, junto ao seu fiel escudeiro, Alexandre Mattos, decidiram por contratar o treinador Cuca, que gostou do que ouviu e aceitou sem pensar duas vezes. Mas quem disse que o novo comandante palmeirense teria vida fácil? Assinou na segunda-feira pós-clássico e já iniciou o trabalho.

Para que vocês, leitores, consigam ter uma melhor análise do atual momento e tirarem suas conclusões, irei separar por tópicos os possíveis (se não todos) responsáveis pela atual fase da equipe de Palestra Itália.

1) DIRETORIA:

Focaremos apenas no segundo mandato de Paulo Nobre: Em 2015 o time chegou à duas finais, sendo campeão da Copa do Brasil em cima do Santos (partida que deu o que falar). Economicamente se reergueu, com os Patrocínios da Crefisa/FAM e Prevident Seniors. Alexandre Mattos, contratado no mesmo ano, foi exaltado, recebendo o apelido de “Mittos”, seria para tanto? 2016 chegou e a expectativa era grande. O pior inicio de uma temporada era evidenciado. Contratações em excesso (Rodrigo chegou e logo se viu distante de ter uma oportunidade) e mal feitas. Sim, contrataram em quantidade e esqueceram de analisar quais as posições mais carentes que o elenco tinha no momento, tanto que as mesmas posições continuam carentes (Laterais direita e esquerda e meia armador). Faltou planejamento, de fato. Outro erro foi dar ao Alexandre Mattos poder além do que lhe cabia. Sempre fui contra demissões de técnicos, ainda mais quando se via que muitas vezes eram precoces, mas não o caso de Marcelo Oliveira. Em 9 meses de trabalho, não se via evolução nenhuma, o Palmeiras não tinham compactação e muito menos esquema de jogo, demoraram e muito para perceber, ou ao menos parar de fazer vistas grossas, e entender que o MO não deu certo. A direção “PN” houveram acertos, e muitos. Mas em 2016 os erros estão se sobressaindo.

2) ELENCO:

Esse tópico é complicado, pois anda paralelamente com o trabalho desempenhado pelo técnico. O que quero dizer é: o elenco é acomodado e sem compromisso com a Instituição ou o treinador é quem não consegue implantar sua filosofia? Estaria sendo injusto se escrevesse aqui que os atuais jogadores do Palmeiras não tenham compromisso com o mesmo, mas é claro que se sentem acomodados, talvez pela direção colocar a totalmente a pressão nas costas de quem comanda. Não consigo enxergar que exista hierarquia no clube, jogadores falam o que quer e agem da forma que lhe convém. Não que precisasse haver uma “ditadura”, mas bom senso. Entenderem que o momento é de colocar o rabinho entre as pernas e se fechar para a ascensão da equipe. Falar menos e agir mais. Dividir todas as jogadas, mostrar raça, vontade. Enfim, de nada adianta trocas constantes de treinadores se aqueles que entram em campo não desempenham suas funções. A crítica precisa ser feita no trabalho dos atletas, assim como são feitas no trabalho dos treinadores. São tão responsáveis quanto.

3) TREINADOR (CUCA):

O que foi desenvolvido (ou não) pelo Marcelo Oliveira, já ficou para trás. Ao menos é o que garante Cuca, ao afirmar que o trabalho inicia-se do zero. O começo do trabalho não vem sendo animador: 3 jogos e 3 derrotas, e a apresentação do time deixando e muito a desejar. Claro que com pouco mais de uma semana de trabalho, não podemos exigir outro time de imediato (lembrando que o Cuca ainda não teve como dar nenhum treino longo e intensivo devido aos jogos domingo/quarta que vem enfrentando). A principal crítica que faço sobre o inicio no Palmeiras foi chegar modificando radicalmente a equipe. Como assim? Você deve estar se perguntando, e lhe respondo: Valentim escalou bem o Palmeiras, diante o São Paulo, mesmo não sendo o time ideal. O técnico poderia ter iniciado seu trabalho a partir daquela base, e ir modificando aos poucos. Substituições durante a partida também vem sendo alvo de criticas em cima do comandante. Mas aqueles que perguntam-me, entre os três tópicos, considero esse o menos culpado do atual momento palmeirense.

Mas e vocês, torcedores? Opinem: quem é o maior responsável pelo atual momento da equipe: Diretoria, elenco ou atual treinador?



Curso Jornalismo e Comunicação na Universidade Metodista de São Paulo. Dedico-me a área Esportiva, e busco sempre oferecer o melhor de mim em todas as matérias em que me envolvo. Seriedade, foco e comprometimento são palavras que levo como lei da vida.