Opinião: As vitórias e reviravoltas de Michael Schumacher

Getty Images

Acompanho Formula 1 desde 83, e pude ver pilotos excepcionais vencerem nas pistas. Hoje vou falar de um dos mais geniais pilotos que eu vi: o alemão Michael Schumacher.

LEIA MAIS:
MAIS JOVEM PILOTO A VENCER NA F1 JÁ FOI ALVO DA IRA DE GALVÃO BUENO
O GP DA ESPANHA FOI PALCO DO SURGIMENTO DE UM FENÔMENO

Desde sua estreia em 91, Schumacher mostrava um grande talento fazendo corridas como gente grande. Assim chamou a atenção de Flavio Briatore que despediu o brasileiro Roberto Pupo Moreno e o contratou para ser seu piloto na Benneton aonde correria ao lado do tricampeão Nélson Piquet.

Em 92 e 93, confirmou ter um talento de um campeão ao brigar de igual para o igual contra os grandes da época como Ayrton Senna e Alain Prost, se firmando rapidamente como um dos grandes da F1.

Em 94, teria um dos seus anos mais polêmicos com a descoberta das irregularidades nos carros da Benneton e a suspensão por duas corridas por desrespeitar uma bandeira preta. Ainda assim, nem tudo foram polemicas no ano para o alemão .

No Grande Prêmio da Espanha, fez uma das suas mais brilhantes exibições ao pilotar mais da metade da corrida em quinta marcha. Na última corrida do campeonato, protagonizou nova polêmica ao jogar seu carro pra cima de Damon Hill após danificar seu Benneton errando sozinho em uma curva – desta forma, Schumacher venceu o Mundial por um ponto.

Entretanto, em 95, o alemão deu um show. Com uma pilotagem rápida e constante, Schumacher anulava o favoritismo das Williams de Hill e Couthard de forma brilhante.

No GP da Bélgica, deu um show de pilotagem ao largar do décimo sexto lugar e fazer ótima corrida. Nesse ano, deu uma passo maior na carreira ao ir para a Ferrari depois de a equipe italiana aceitar as condições impostas por Schumacher .

Em 96, Schumacher desembarcou em Maranello com toda a sua equipe técnica, com o projeto de quebrar o jejum de títulos da Ferrari. O carro era desequilibrado e frágil. Além disso, as Williams haviam voltado ao nível assombroso de 92 e 93.

Ainda assim, Schumacher protagonizou três vitórias no ano. Uma delas no GP da Espanha em 96, com um show de pilotagem sob forte chuva e com menos cilindros funcionando no motor durante boa parte da corrida. Entretanto, não teve como evitar o título de Damon Hill.

Em 97, a Ferrari havia crescido consideravelmente. Mas no entanto, as Williams tinham o favoritismo. Com todo o seu talento, o alemão disputou o campeonato palmo a palmo com Jaques Villeneuve.

Na última corrida do ano, no GP da Europa, Schumacher se envolveu em nova polêmica ao jogar seu carro pra cima do canadense para garantir o título. Por causa da atitude, o alemão teve o vice campeonato suspenso, e ainda por cima ganhava a fama de “Dick Vigarista”.

Entretanto, nos anos 2000, Schumacher apagou essa fama com uma sequência de cinco títulos conquistados de forma limpa e impecável, mesmo nos mundiais em que foi obrigado a disputar até a ultima corrida em 2000 e 2003. O alemão se mostrava um fenômeno no esporte ao bater todos os recordes da F1 nesse período.

Mas em 2006, Schumacher esteve em nova polêmica nos treinos para o GP de Monaco, quando parou sua Ferrari no meio da pista para impedir que o espanhol Fernando Alonso, que era seu rival na disputa pelo título, conquistasse a pole.

Ainda assim, ele fez nesse ano uma de suas melhores temporadas, brindando os fãs da velocidade com um show de pilotagem no Grande Premio do Brasil ao fazer belas ultrapassagens. Schumacher fazia a sua primeira despedida da F1 em grande estilo .

Schumacher retornaria em 2010 já aos 41 anos, por não conseguir ficar longe daquilo que mais gostava. Ele não escapou de mais uma polêmica no GP da Hungria ao tentar jogar o brasileiro Rubens Barrichello contra o muro para impedir uma ultrapassagem, sendo punido com a perda de dez posições na corrida seguinte. Em 2011, Schumacher se aposentou definitivamente com seu nome já escrito no panteão do automobilismo mundial.