Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Deu ruim! Veja um time formado pelas piores contratações da dupla Gre-Nal

Se pudessem, os torcedores da dupla Gre-Nal mandavam embalar de novo e trocar o produto na loja. Nem sempre é possível acertar quando se trata de contratações. Mas, nos últimos tempos, os dois gigantes do Rio Grande do Sul têm acumulado algumas frustrações com as aquisições. Na véspera do Brasileirão de 2016, montamos um time, escalado no ortodoxo 4-4-2, formado pelas piores contratações de Grêmio e Inter. Confira a máquina… quebrada!

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Arte com imagens de divulgação dos clubes

Tavarelli – No gol, abrimos o time como o paraguaio Tavarelli. Algoz dos gremistas nos pênaltis da semifinal da Libertadores de 2002, quando o Olimpia avançou, o arqueiro chamou a atenção do clube gaúcho, que só conseguiu sua contratação em 2014. Falhas, tropeços, saídas de gol atrasadas, erros… e, no fim, o rebaixamento: o resumo do paraguaio no Olímpico.

Ruy Cabeção – Ô Grêmio, Grêmio… sem opções para a lateral-direita na abertura do ano de 2009, o tricolor apostou no folclórico Ruy Cabeção para solucionar o problema. Justiça seja feita: o início do jogador no Olímpico até foi bom, mas a sequência deixou e muito a desejar. Por sorte, surgia o garoto Mário Fernandes.

Orozco – Minha nossa senhora, torcida colorada! Lembram dele? Trazido, sabe-se lá como, para a temporada de 2007. Na época, o treinador colorado era Abel Braga, que deu oportunidades para o colombiano. Certamente se arrependeu.

Cris – De volta ao Brasil depois de um longo tempo na Europa, Cris não foi bem no Grêmio e colecionou falhas até ser sacado do time. Foi um dos responsáveis pela eliminação nas oitavas da Libertadores de 2013, contra o Santa Fe, quando fez um pênalti infantil no primeiro jogo.

André Santos – Lateral-esquerdo com nível de Seleção Brasileira e de grande passagem pelo Corinthians, André Santos foi outro a frustrar a torcida gremista. Em 2013, ele foi titular da equipe na disputa da Libertadores daquela temporada, e fez apenas um grande jogo: contra o Fluminense, no Rio de Janeiro. Com a chegada de Renato Gaúcho, perdeu a posição para Alex Telles.

Wilson Matias – Ele poderia ser tudo, menos espetacular. Segundo Fernando Carvalho, ex-presidente do clube e um dos principais dirigentes do Inter em 2010, o Inter estava contratando um reforço “espetacular”. Matias teve que conviver com essa responsabilidade durante toda a sua fracassada passagem pelo Inter, onde não demonstrou bom futebol. Em entrevista recente, admitiu que a vida noturna de Porto Alegre o prejudicou.

Ygor – Veio do Figueirense cercado de boas expectativas pela boa campanha no clube de Santa Catarina. Antes, havia sido vice-campeão da Libertadores pelo Fluminense em 2008. Tudo bem, nada disso se discute. Mas no Inter… Bom, no Inter justificou o apelido de “PerYgor”.

“Cebolla” Rodríguez – Essa Cebolla fez os gremistas chorarem… Não chegou a atuar nem 90 minutos pelo Grêmio. Tida como a contratação de “lotar aeroporto”, Cristian “Cebolla” Rodríguez não mostrou a que veio em sua curta passagem pelo tricolor no início de 2015. Não deixou saudades na Arena.

Pinga – Ainda desconhecido dos brasileiros, Pinga foi uma das primeiras contratações do Inter após o título da Libertadores de 2006. E era melhor que tivesse continuado como desconhecido…

Scocco – Destaque do Newell’s na Libertadores de 2013, o atacante chegou ao Beira-Rio cercado de muitas expectativas. Mas decepcionou. Após um investimento da diretoria de quase R$ 15 milhões, o argentino jogou 21 vezes e fez apenas 4 gols. No final de 2014, pediu para sair do clube alegando que estava sem “adrenalina” para jogar no Inter.

Braian Rodriguez – Contratado no início da temporada de 2015, Braian frustrou os torcedores pelas más exibições e os constantes gols perdidos. Pesava contra si o fato de ser o novo 9 pós-Barcos, ídolo tricolor.

A escalação: Tavarelli; Ruy Cabeção, Orozco, Cris, André Santos; Wilson Matias, Ygor, Cebolla Rodriguez, Pinga; Scocco e Braian Rodriguez.

Dá para encarar?