Hamilton e Rosberg divergem sobre a causa do acidente

Crédito da foto: Facebook Oficial da Fórmula 1

Não adianta: Lewis Hamilton e Nico Rosberg não concordam em nada. A desavença entre os dois pilotos novamente foi para a pista, onde os dois bateram e abandonaram o GP da Espanha na primeira volta. No fim, cada um tem uma opinião própria sobre o ocorrido.

LEIA MAIS:
OPINIÃO: A FÓRMULA 1 VOLTA A RESPIRAR, GRAÇAS A MAX VERSTAPPEN
O GP DA ESPANHA FOI PALCO DO SURGIMENTO DE UM FENÔMENO

Em um primeiro momento, todos acreditaram que Hamilton foi imprudente e o responsável pelo acidente que terminou com as pretensões da equipe Mercedes no GP da Espanha. Mas a própria equipe alemã divulgou após o término da corrida, que houve uma falha de Rosberg no gerenciamento do motor, o que ocasionou uma redução na velocidade do carro dele. Após a análise dos diretores de prova sobre o acidente, na qual chegaram a conclusão que foi uma simples situação de prova, ou seja, não houve culpados ou punição, os dois pilotos explicaram para os jornalistas o que ocorreu. E é claro, cada um com uma opinião bem distinta do outro.

Segundo o inglês Lewis Hamilton, ele apenas viu um espaço e se colocou nele:”Havia um espaço e foi ali que me coloquei, pois é isso que pilotos fazem.” Ele explicou exatamente como foi a largada, até o momento do acidente:  “basicamente, tive uma boa largada, mas Nico pegou o vácuo e me superou na curva 1. No meio da curva 3, entretanto, eu estava muito mais veloz, pois Nico estava no modo errado do motor.”

Hamilton também explicou que não ficou surpreso com a baixa velocidade em que estava o carro de Nico Rosberg quando ele tentou a ultrapassagem: “Não, pois eu vi a luz que avisa sobre o modo do motor no carro dele, mas ela se apagou rapidamente. Não fiquei tentando analisar o que estava acontecendo.” O piloto inglês informou que pediu desculpas para a equipe (menos para Rosberg, é claro), pois seu primeiro pensamento após a batida foi justamente em ter prejudicado todo o trabalho da Mercedes no fim de semana.

Mas apesar de Hamilton e a equipe Mercedes concordarem com o erro de Nico Rosberg sobre o gerenciamento do motor, para o piloto alemão que é o líder do Mundial de Pilotos, não foi exatamente isso que ocasionou o acidente que tirou os dois carros da Mercedes da prova. Aliás, ele deixou claro na entrevista que concedeu após o GP que não tinha espaço nenhum para Lewis Hamilton tentar a ultrapassagem:

“Tive uma ótima largada. Fiquei bastante satisfeito com a ultrapassagem na primeira curva para assumir a liderança e tinha certeza de que a corrida seria minha. Ao sair da curva 3, percebi que estava com menos potência por estar no modo incorreto do motor”, afirmou Rosberg, que logo em seguida deixou claro que não se distraiu com o erro do gerenciamento de motor, portanto, viu a aproximação de Hamilton e agiu de forma proposital:  “É um botão que preciso apertar, nem preciso olhar pois sei onde ele fica, é um que utilizo o tempo todo. Apenas o apertei, mas estava totalmente concentrado na batalha com Lewis”, concluiu.

Rosberg afirmou que ficou surpreso por Lewis Hamilton ter tentado a ultrapassagem mesmo assim. E garante que fez exatamente o que qualquer outro piloto iria fazer:  “Eu disse o que penso sobre minha manobra. Eu tomei esse caminho o mais cedo possível para mostrar a Lewis que eu ficaria por dentro, algo normal para um piloto – é isso que um piloto faz, bloqueia a linha de dentro para garantir que o adversário não venha por ali”.

O que ficou claro é que apesar da Mercedes ter tentado criar um clima de que foi algo normal o que ocorreu no Circuito da Catalunha, nem Hamilton, muito menos Rosberg, saíram satisfeitos (e muito provavelmente, a equipe também não). Não ficou dúvidas: a guerra entre Rosberg e Hamilton só deve aumentar nos próximos GPs. O que é bom para os amantes da Fórmula 1, mas que talvez não seja o ideal para a equipe alemã. A próxima corrida será o GP de Mônaco, no dia 29 de maio, e fica a expectativa em cima dos dois pilotos. Será que Hamilton vai reagir no campeonato? Veremos daqui a duas semanas.