Ídolo do basquete explica por que não levará tocha olímpica: “Falta de respeito”

tocha olímpica
Crético da foto: Reprodução/ESPN

Uma polêmica tomou conta do noticiário esportivo na última segunda-feira (16) devido ao fato de que alguns atletas e ex-atletas, que representaram o Brasil em Olimpíadas, terem sido “esquecidos” entre as 12 mil pessoas que carregariam a tocha olímpica no território brasileiro. Um dos nomes envolvidos foi o do ex-jogador de basquete Wlamir Marques, bicampeão mundial em 1959 e 1963 e dono de duas medalhas de bronze nas Olimpíadas de 1960 e 1964.

LEIA MAIS:

JORNALISTA AMERICANO AFIRMA QUE LEBRON E CARMELO DEVEM DISPUTAR OLIMPÍADAS

VEJA 5 TABUS QUE PODEM SER QUEBRADOS PARA O BRASIL NO RIO-16

MARCELINHO CARIOCA CONTA QUE SOFREU BOICOTE DE LUXEMBURGO POR CAUSA DE MULHER

De acordo com o ex-jogador e atual comentarista de basquete da ESPN, ele se sentiu ofendido após ter sido convidado pela Prefeitura de São Paulo – convite aceito de prontidão – e mais tarde receber uma mensagem da organizadora do evento dizendo que seu nome ainda estava sob análise e que, se não respondesse a tempo sobre alguns quesitos, estaria automaticamente desligado da lista de nomes incumbidos de carregar a tocha.

A partir deste momento, Wlamir se sentiu maltratado e desistiu de participar. “Durante toda a minha vida nunca pretendi ser maior ou menor do que ninguém, nunca fui um homem de arroubos pessoais, mas intimamente me senti ofendido com aquelas palavras. A minha história esportiva e olímpica é por demais conhecida no país e aquelas palavras reagiram dentro de mim como total falta de respeito a um passado”, escreveu o ex-atleta de 78 anos em publicação nas redes sociais.

Por fim, Wlamir explicou que o próprio COB (Comitê Olímpico Brasileiro) o convidou novamente e insistiu pela sua participação, porém, o ex-jogador “já tinha definido que não participaria mais daquele evento” e alegou impossibilidade devido à problemas físicos que tem para negar o convite, “mesmo sabendo que não teria problemas para o transporte da tocha”.

Confira a nota de Wlamir Marques na íntegra:

Meus queridos amigos e amigas:
À fim de esclarecimento, afirmo que em nenhum momento eu disse aqui que não fui convidado para transportar a tocha olímpica quando da passagem pela capital paulista. Há um tempo atrás fui convidado pela prefeitura de São Paulo com essa finalidade e aceito de pronto por mim. Passado alguns meses, recebi um e-mail da organização do evento dizendo de forma clara que o meu nome ainda estava sendo analisado e que se eu não responde-se à tempo sobre alguns quesitos eu seria automaticamente desligado. Durante toda a minha vida nunca pretendi ser maior ou menor do que ninguém, nunca fui um homem de arroubos pessoais, mas intimamente me senti ofendido com aquelas palavras. A minha história esportiva e olímpica é por demais conhecida
no país e, aquelas palavras reagiram dentro de mim como total falta de respeito a um passado. Na mesma hora, respondi dizendo que a partir daquela nota eu estava me afastando definitivamente do evento. Depois disso não houve mais retorno. Mais ou menos um mês atrás, recebi um convite do COB. Houve
uma forte insistência pela minha participação, mas eu já tinha definido dentro de mim que não participaria mais daquele evento. Aleguei problemas físicos que, na verdade os possuo, estou em tratamento, mesmo sabendo que não teria problemas para o transporte da tocha. Pode transparecer intransigência ou falta de compreensão da minha parte, mas não acho justo a falta de respeito pelo sentimento adquirido com tanto amor ao redor dos tempos. Obrigado a todos pelo apoio e consideração. Adoro vocês. Beijos e abraços. Wlamir Marques