Marcelinho Carioca conta que sofreu boicote de Luxemburgo por causa de mulher

Marcelinho Carioca
Crédito da foto: Reprodução/ESPN

O ex-meio-campista Marcelinho Carioca, ídolo do Corinthians e cria das categorias de base do Flamengo, participou neste domingo (15) do programa “Resenha ESPN” e contou diversas histórias de sua vida no futebol entre muitas outras novidades.

LEIA MAIS:

COM ARTICULAÇÃO DO GRÊMIO, CLUBES TENTAM ANTECIPAR JANELA DE TRANSFERÊNCIAS

VÍDEO: CAPITÃO DO PSV SE EMPOLGA E DERRUBA TAÇA DE CAMPEÃO NA HOLANDA

VÍDEO: TORCEDORES FAZEM MOSAICO IMPRESSIONANTE DE “GAME OF THRONES” NA MLS

Durante o programa, o ex-atleta de Corinthians, Flamengo e Valencia-ESP entre outros, disse que o técnico Vanderlei Luxemburgo, atualmente trabalhando na China, no Tianjin Quanjian, atrapalhou sua carreira quando atuava no Corinthians e também na seleção brasileira.

De acordo com Marcelinho Carioca, o técnico ficava incomodado com seu sucesso, tanto fora dos gramados, com as mulheres, quanto dentro de campo, marcando gols.

Para isso, lembrou de uma vez em que brigava pela artilharia do Brasileirão, em 1998, e foi afastado do elenco por ter marcado um encontro com uma mulher antes de um jogo, durante a concentração.

“Eu perdi a artilharia do Campeonato Brasileiro de 1998, terminou com 19 gols, dois a menos que o Viola. Eu era solteiro e podia fazer o que eu quisesse. Mas os programas, vamos dizer, secundários incomodavam muito ele [Luxemburgo]. Então, eu era convidado para ir no programa da Hebe, do Faustão, e ele me proibia de ir. Na semana seguinte, ele estava nos mesmos programas. E os gols também o incomodavam demais…”, disse.

Neste momento, o ex-jogador argentino Juan Pablo Sorín, um dos apresentadores do programa, completou: “Algumas mulheres também o incomodavam…” e Marcelinho contou uma história.

“Eu ia chegar aí”, disse o ex-jogador corintiano, para o delírio dos outros participantes.

“O Vampeta sempre botava pilha e teve um dia que chegou um recado para mim escrito: ‘Eu quero o pretinho’. Eu olhei [para ela] e pensei: ‘Depois do jogo, vou para o ataque soviético’.

Segundo Marcelinho, ele foi punido por chegar dois minutos depois da hora prevista. O ex-jogador foi tirar satisfação com o treinador no quarto dele. “Eu estou fora por que? Era porque era a menina que você queria e não te deu mole? Eu não tive nenhuma atitude de indisciplina”, explicou Marcelinho, que foi punido e obrigado a treinar 19 dias afastado, sozinho em Itaquera.

Atuando pela seleção brasileira, também em 1998 e sob comando de Luxemburgo, Marcelinho revelou outro episódio que o prejudicou.

“Acho que nunca falei isso para ninguém. Estava no quarto da concentração em São Luis, no Maranhão, e o Mûller [ex-atacante] chegou para mim e disse: ‘O Vanderlei nos reuniu, eu, o Antônio Carlos e o Cléber e disse que teríamos que arrumar um jeito de tirar você da seleção'”, revelou o Pé de Anjo.

“Imagina aquilo na minha cabeça… Só que no jogo, se você marca gol no primeiro tempo, o técnico não tem como te tirar. E eu tentei de todos os jeitos e consegui marcar um. Mesmo assim, ele me tirou com 20 minutos do segundo tempo”, disse. “No jogo seguinte, contra a Rússia, marquei mais um. Mas no segundo tempo, com 15 minutos, eu saio”, continuou. “Depois, contra o Equador, fiz mais um gol e ele me tirou, mais uma vez, com 15 minutos do segundo tempo”, afirmou Marcelinho.

A carreira de Marcelinho com a camisa do Brasil não teve tantas oportunidades, porém, o ex-atleta, sem modéstia, afirmou que tinha futebol para jogar em pelo menos três Copas do Mundo. “Em 1994, 1998 e 2002 eu estaria no grupo da seleção. Estaria tranquilo ali. Até porque tinham uns quatro ou cinco ali que…”, completou.