Opinião: Ronaldo foi um jogador aquém de seu talento

Ronaldo Fenomeno
Getty Images - Ronaldo Fenômeno - fez 300 gols com 27 anos

Hoje vou falar daquele que talvez tenha sido o maior atacante que eu já vi em campo: Ronaldo. Apelidado de Fenômeno, o atacante surgiu no cenário nacional atuando pelo Cruzeiro em 93, e simplesmente impressionou a crítica ao marcar 44 gols no ano.

LEIA MAIS:
Opinião: Romário tem uma carreira de gols e polêmicas

De fato, o atacante foi espetacular. Ele foi convocado para a Copa de 94 com apenas 17 anos, e foi o caçula na campanha do tetracampeonato. Como era de se esperar, seu destino foi a Europa ao ser negociado com o PSV, onde mais uma vez comprovou seu grande talento.

Em 96, se transferiu para o Barcelona e venceu sua primeira Bola de Ouro da Fifa ao ser o artilheiro da temporada 96-97 na Europa com 47 gols, e assim acabou negociado com a Inter de Milão.

Na sua primeira temporada na Itália, em 97-98, foi novamente o maior artilheiro europeu com 44 gols, mas na sequência apareceram suas graves lesões, que infelizmente comprometeram a carreira e derrubaram seu rendimento. Na Copa de 98, Ronaldo teve um dos seus momentos mais dramáticos, ao sofrer uma convulsão horas antes da final contra a França.

Na sequência, graves lesões acabaram sendo a maldição de Ronaldo. Em 2002, quando todos davam sua carreira por encerrada, ele voltou em grande estilo ao ser o artilheiro da Copa na campanha do pentacampeonato mundial. Como era de se esperar, o atacante foi eleito o melhor do mundo pela terceira vez.

Na sequência, viria uma transferência para o Real Madrid. Nas suas três primeiras temporadas pela equipe espanhola, Ronaldo foi impecável. Entretanto, um novo drama acompanharia a carreira de Ronaldo a partir da temporada 2005-2006: ele passou a sofrer com sobrepeso devido a problemas de tireoide.

Na Copa de 2006, Ronaldo longe de sua melhor forma física, não brilhou, mas teve lampejos de genialidade ao marcar três gols e ser até então o maior artilheiro da história das Copas com 15 gols marcados.

Na temporada 2006-2007, Ronaldo teve o seu pior momento no futebol europeu com o agravamento nos problemas da tireoide ao marcar apenas 13 gols. No final da temporada, ele deixou o Real Madrid com 104 gols em 177 jogos – infelizmente com números aquém de seu talento.

Na sequência, viria uma transferência para o Milan, em que mais uma vez não brilhou perseguido pelos velhos problemas de saúde. Assim, em 2009, Ronaldo acabou se transferindo para o Corinthians.

Em 2009, mostrou seu talento ao ser peça fundamental nas conquistas do Paulistão e da Copa do Brasil. Infelizmente, na sequência da temporada, mais uma vez as lesões derrubaram o craque. Ainda assim, Ronaldo marcou um dos gols mais bonitos da carreira, na primeira partida da decisão do Paulistão contra o Santos, na Vila Belmiro.

Em 2011, vencido pelas dores, ele encerrou a carreira, infelizmente com números muito inferiores ao seu talento. Mas ainda assim Ronaldo se consagrou como o segundo maior artilheiro da seleção, atrás apenas de Pelé. Uma prova incontestável do seu talento.

Ronaldo não teve a carreira que um jogador desse porte teria tido se não fossem problemas de saúde e lesões. Mas aqui fica a lembrança a aquele que talvez tenha sido o maior atacante que eu já vi em campo.