Quatro razões explicam o empate entre Corinthians e Grêmio

Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Os primeiros 45 minutos tiveram Corinthians e Grêmio arriscando jogadas de ataque, mas com conclusões a gol bastante falhas. O alvinegro marca em cima a linha defensiva gremista. Já o Tricolor teve em Giuliano o seu nome de destaque, por acionar o ataque e perder uma boa chance de gol na frente de Walter.

Já a segunda etapa teve um Corinthians mais presente no ataque, mas sem sucesso. O Grêmio raramente aparecia no ataque e quando conseguia, pouco assustava. No final, o alvinegro pressionou de todas as formas, só que o Tricolor Gaúcho acabou saindo de campo com um empate.

Veja o que contribuiu para este resultado neste domingo na Arena, em Itaquera.

1-A água até foi mole, mas a pedra era dura demais…

Dezesseis finalizações, dez escanteios, pressão… O Corinthians tentou de tudo para fazer valer o fator casa. Erros de finalização aconteceram, mas a resistência gremista foi determinante para o resultado igualado e sem gols.

2-Marcelo Grohe

O goleiro gremista foi, sem sombra de dúvida, o melhor nome gremista no jogo. Fez defesas difíceis e no final do jogo foi o maior responsável pelo 0 a 0 no placar. Soube esfriar o ânimo alvinegro.

3-Luciano

O atacante corintiano teve aquela que foi a melhor chance de gol do jogo, após receber passe de Giovani Augusto. No entanto, parou nas mãos de Marcelo Grohe.

4-Roger Machado

O Grêmio poderia ter brigado pela vitória, mas perto do fim do jogo, Roger pensou no ponto que estava prestes a somar na Arena e sacou Milner Bolaños e mandou Edinho a campo. A alteração em nada lembrou o técnico de futebol vistoso de 2015, mas sim um comandante com receio de estrear o Brasileirão com derrota e que sente o peso das críticas a seu trabalho. Pode não ter vida longa no Tricolor.