Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

5 lições que o Atlético-MG tirou do jogo contra o Ponte Preta

O Atlético-MG venceu a Ponte Preta por 3-0 na Arena Independência neste domingo (19). Além do ótimo resultado, o Galo mostrou um ótimo volume de jogo, criando diversas oportunidades e variando o jogo. Com gols de Leandro Donizete, Cazares e Carlos, o Atlético voltou a vencer após sete rodadas sem vitórias.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

LEIA MAIS:
TORCIDA DO ATLÉTICO-MG RECLAMA DE PÊNALTI E GOL MAL ANULADO DE ROBINHO. ASSISTA
ATLÉTICO-MG X PONTE PRETA: CONFIRA OS GOLS DA PARTIDA

O Atlético-MG precisa refletir sobre o que deu certo no jogo de hoje e melhorar aquilo que não funcionou para as próximas partidas. Por isso o TORCEDORES.COM separou para você 5 lições da partida entre Atlético-MG x Ponte Preta.

  1. Obrigado, Cazares – O equatoriano se esforçou para chegar a tempo de disputar a partida contra a Ponte Preta. E todo esforço valeu a pena. Cazares foi o grande maestro da equipe e ainda marcou um golaço. Se ele não é salvação, como vários falavam, ele é diferenciado e novamente mostrou isso.
  2. Movimentação de Marcos Rocha e Clayton – Clayton não tinha mostrado, até hoje, futebol para ser titular do Atlético-MG, mas o treinador Marcelo Oliveira bancou o ex-Figueirense, e este não decepcionou. Fez uma ótima dupla com Marcos Rocha, que possibilitou o lateral sair com maior frequência e com mais qualidade. O segundo gol saiu de um belo passe de Rocha para Cazares.
  3. Melhor cobertura defensiva – Sou contra a ideia de Rafael Carioca ser reserva. Aliás, NA MINHA OPINIÃO, o volante alvinegro é o melhor da posição no país. Mas o fato é que, com Júnior Urso e Leandro Donizete, o Atlético-MG ganhou no sistema defensivo, dando maior cobertura às saídas dos laterais e proteção aos defensores alvinegros.
  4. Saber jogar sem a bola – A Ponte Preta teve maior posse de bola no jogo. A Macaca teve 52,3% da posse da redonda enquanto o Atlético-MG teve 47,7%. Algo até então impensado para jogos do Galo no Horto. O Atlético soube esperar o momento certo para atacar. O time, com Cazares, ficou mais vertical e atacou com maior objetividade.
  5. Movimentação ofensiva – Cazares, Clayton, Fred e Robinho correram muito. Cazares flutuou em todo o campo, tendo liberdade total para girar o jogo. Clayton fez uma boa diagonal pela direita, ajudou o lateral-direito Marcos Rocha na marcação e chegou bem à área. Robinho ficou mais pela esquerda. Como o lateral-esquerdo, Douglas Santos, não tem o cacoete ofensivo como Rocha, Robinho não precisou voltar tanto para o ajudar. Já o atacante Fred passou em branco o jogo, mas isso não tira a boa partida que o atacante fez. Segurou bem os zagueiros, fez bem o pivô e ainda deu condições para os outros jogadores chegarem bem para finalizar. Nos lances dos gols, principalmente o segundo e o terceiro, é nítido como Fred puxou a marcação e isso deu liberdade a Cazares e Carlos marcarem.