11 estrangeiros que vão disputar os Jogos Olímpicos Rio-2016 pelo Brasil

O Brasil não apenas vai sediar a edição 2016 dos Jogos Olímpicos como será a pátria amada de ao menos 11 atletas e treinadores no Rio de Janeiro. Visando melhores oportunidades do que em seus países de origem, os esportistas vão participar das competições sob a bandeira verde e amarela. E podem fazer bonito a partir do dia 5 de agosto, data da abertura dos Jogos Rio-2016.

Matheus Adami
Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.

Crédito: Reprodução/Instagram

LEIA MAIS:
CONHEÇA 11 ESPORTES QUE JÁ FORAM OLÍMPICOS E NÃO SÃO MAIS

A modalidade recordista de brasileiros “postiços” é o polo aquático. Só para se ter uma ideia, o time masculina conta com cinco estrangeiros, entre europeus e atletas da América Central. A esgrima também não fica atrás: três atletas têm dupla cidadania.

O grupo estrangeiro só não é maior porque o jogador de basquete norte-americano Larry Taylor, que disputou os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, na Inglaterra pelo Brasil, foi cortado na quarta-feira (20) da lista final dos 12 convocados para a competição no Rio. Além disso, a húngara Emese Takács, da esgrima, teve a naturalização cassada e, por causa disso, foi cortada da seleção olímpica.

Confira os estrangeiros que disputarão os Jogos Rio-2016 pelo Brasil:

Rúben Magnano, basquete
Argentino, é o treinador da seleção masculina de basquete do Brasil. Comandou a equipe de seu país ao ouro olímpico nos Jogos de Atenas, na Grécia, em 2004, e é considerado um dos “craques” da seleção brasileira para os Jogos do Rio.

Morten Soubak, handebol
O dinamarquês é o técnico da seleção feminina de handebol. Desde 2009 à frente do time, conduziu a equipe à inédita conquista do Campeonato Mundial da modalidade em 2013.

Eduard Soghomonyan, luta-livre
Nascido na armênia, Eduard Soghomonyan é casado com um brasileira. Está no país desde 2012 e vai participar da modalidade greco-romana da luta-livre, na categoria até 130kg.

Nathalie Moellhausen, esgrima
Italiana filha de uma brasileira, Nathalie (foto) vai participar dos Jogos do Rio na disputa individual da espada.

Marta Baeza, esgrima
Nasceu no Brasil, mas iniciou na esgrima na Espanha. Vai participar da disputa individual do sabre.

Ghislain Perrier, esgrima
Cearense de Fortaleza, Perrier foi adotado ainda criança por um casal francês. O atleta faz parte da equipe do florete que estará no Rio-2016.

Slobodan Soro, polo aquático
O goleiro nasceu na Sérvia e se “tornou” brasileiro após convite da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos).

Josip Vrlic, polo aquático
Nascido na Croácia, se naturalizou em 2013 e vai defender a seleção brasileira no Rio de Janeiro.

Paulo Salemi, polo aquático
É outro italiano do grupo que defenderá o Brasil no Rio de Janeiro.

Ives González, polo aquático
Nasceu em Cuba e é casado com uma brasileira.

Adria Delgado, polo aquático
Nascido na Espanha, é filho de um brasileiro e é mais um da “legião estrangeira” da seleção masculina da polo aquático.