GUIA RIO 2016 TORCEDORES.COM – SAIBA TUDO SOBRE SALTOS ORNAMENTAIS

O Torcedores.com continua seu especial para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016 que conta um pouco da história de cada esporte olímpico, algumas curiosidades para você contar por aí, além de informar os favoritos das provas e quem são os brasileiros nelas. Falaremos agora dos Saltos Ornamentais, esporte em que a China tem um domínio impressionante

LEIA O GUIA RIO 2016 DE OUTROS ESPORTES:
ATLETISMO, BADMINTONBASQUETE MASCULINO, BASQUETE FEMININO, BOXECANOAGEM VELOCIDADECANOAGEM SLALOM, CICLISMO BMX, CICLISMO ESTRADA, CICLISMO MOUNTAIN BIKE, CICLISMO PISTA,  ESGRIMAFUTEBOL MASCULINOFUTEBOL FEMININO, GINÁSTICA ARTÍSTICA, GINÁSTICA RÍTMICA, GINÁSTICA DE TRAMPOLIM, GOLFEHANDEBOLHIPISMO, JUDÔ, LEVANTAMENTO DE PESO, LUTA, MARATONA AQUÁTICA, NADO SINCRONIZADO, NATAÇÃO, PENTATLO MODERNOPOLO AQUÁTICO, REMORUGBY DE SETE, SALTOS ORNAMENTAIS,TAEKWONDOTÊNISTÊNIS DE MESA,TIRO COM ARCOTIRO ESPORTIVO, TRIATLO, VELAVÔLEI FEMININO, VÔLEI MASCULINOVÔLEI DE PRAIA

 

INTRODUÇÃO: A origem do esporte está ligada a Grécia Antiga, mas os saltos ornamentais ficaram populares mesmo na Suécia e na Alemanha nos séculos XVIII e XIX e eram inicialmente praticados por ginastas que treinavam seus saltos caindo dentro d’água. A primeira organização de saltos ornamentais foi fundada em 1901. O esporte foi testado pela primeira vez em Jogos Olímpicos em 1904, mas foi a partir de 1908 que entrou de fato para o programa olímpico. As mulheres começaram a competir a partir de 1912. Os saltos da plataforma de 10 metros e do trampolim de 3 metros são as mais tradicionais. A partir de 2000, os saltos sincronizados foram introduzidos. Ao todo, 8 medalhas são distribuídas em Jogos Olímpicos.

 

VOCÊ SABIA?

  • Que no começo do esporte, os atletas realizavam os saltos sem ter noção das profundidades das águas e se machucavam gravemente?
  • Que o atleta Greg Louganis, considerado o melhor atleta da história dos saltos ornamentais, conseguiu a medalha de ouro em 1988 após ter batido a cabeça na plataforma nos primeiros saltos? Greg será comentarista dos canais Sportv na Rio 2016
  • Que os atletas de saltos ornamentais fazem um trabalho intenso de musculação nos joelhos e no tendão de Aquiles? São as partes físicas mais exigidas dos atletas
  • Que os saltos ornamentais são considerados um dos esportes mais “limpos” do esporte? É raro ver um atleta ser pego por doping

 

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

Os atletas fazem uma série de 6 saltos (as mulheres fazem cinco). Os 18 melhores avançam para a semifinal. Mais uma série de saltos é executada e apenas 12 avançam para a final, onde as pontuações são zeradas e os atletas começam a competir do zero.

MASCULINO

TRAMPOLIM DE 3M MASCULINO

HISTÓRICO: A prova já foi disputada 24 vezes desde 1908. Os dois primeiros ouros foram para a Alemanha. A partir de 1920, os Estados Unidos (foto) passaram a ter um domínio absoluto. Foram 15 ouros de 1920 até 1992, perdendo apenas em 1972 para a União Soviética (que também venceu em 1980, sem a presença dos americanos). A China cresceu nos anos 1980 começando a conquistar medalhas e a partir de 1996, tomou o lugar mais alto do pódio dos americanos. Desde então, conseguiu 4 títulos consecutivos. Em Londres, a Rússia levou o título, com ouro e prata para os chineses

 

Greg Louganis, considerado um dos melhores atletas da história dos saltos ornamentais, nos dias de hoje. Crédito: reprodução facebook
Greg Louganis, considerado um dos melhores atletas da história dos saltos ornamentais, nos dias de hoje. Crédito: reprodução facebook

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

O campeão mundial de 2015 He Chao, da China, chega bem para conquistar o título olímpico, mas na principal competição do ano acabou apenas com a sexta colocação. O mexicano Rommel Pacheco (foto) venceu a competição, disputada no Rio, e pode repetir a dose. Os dois russos também devem chegar com força. Um é o atual campeão olímpico e o outro já foi algumas vezes vice-campeão mundial. A Jamaica tem um atleta que pode surpreender. Fique de olho ainda nos atletas de França e Grã-Bretanha.

saltos ornamentais pacheco

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

He Chao (China) – campeão mundial 2015, líder do ranking 2016

Rommel Pacheco (México) – campeão da Copa do Mundo 2016, vice-líder do ranking 2016

Ilya Zakharov (Rússia) – vice-campeão mundial 2015, campeão em Londres 2012

Jack Laugher (Grã-Bretanha) – terceiro colocado no mundial 2015

Evgeny Kuznetsov (Rússia) – vice-campeão mundial em 2013, 4º lugar no ranking 2016

Yona Knight Wisdom (Jamaica) – vice-campeão na Copa do Mundo 2016

Matthieu Rosset (França) – 3º do ranking mundial

Kristian Ipsen (Estados Unidos) – bronze na Copa do Mundo 2016

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL?

O Brasil terá o experiente César Castro (foto), de 33 anos, que disputará sua 4º Olimpíada. Há 12 anos, o atleta conseguiu chegar à final da prova, terminando em nono lugar. Nas duas últimas edições, não conseguiu repetir o feito. Neste ano, ficou em sexto lugar. Se conseguir repetir ou melhorar seu resultado de Atenas 2004, será um ótimo resultado ele terminou na 5º colocação. As chances de levar uma medalha são baixas

saltos ornamentais castro

PALPITE DO GUIA:

ouro: Ilya Zakharov (Rússia)

prata: He Chao (China)

bronze Yona Knight Wisdom (Jamaica)

 

PLATAFORMA SINCRONIZADA 3m MASCULINO

HISTÓRICO: A prova sincronizada masculina entrou para o programa olímpico apenas em 2000 e é dominada pela China. Venceram 3 das 4 edições, perdendo apenas em Atenas 2004, onde sequer conquistaram medalhas. O ouro naquele ano foi para os gregos, donos da casa. A Rússia foi medalhista de prata em todas as edições em que a China foi campeã. A Austrália tem duas medalhas de bronze.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A China (foto) é favorita ao ouro, porém menos do que na plataforma de 10m. Venceram os mundiais do último ciclo olímpico, mas neste ano, na Copa do Mundo do Rio de Janeiro, foram surpreendidos pelos alemães. Os russos, eternos fregueses dos chineses, tentam de uma vez por todas ficar na frente deles. Esses 3 países devem compor o pódio, com México, Grã-Bretanha e Estados Unidos podendo surpreender. Brasil e Itália não devem ter chances.

saltos he

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

He Chao e Qin Kai (China) – campeões mundiais em 2015.  Qin Kai foi campeão em 2013 e em Londres 2012 com outro parceiro.

Evgenil Kuznetsov e Ilia Zakharov-  Rússia :  prata nos mundiais 2013 e 2015 e na Olimpíada 2012

Stephan Feck e Patrick Hausding (Alemanha) – venceram a Copa do Mundo 2016

Jack Laugher e Chris Mears (Grã-Bretanha) –  terceiros colocados no mundial 2015

Jahir Ocampo e Rommel Pacheco (México) – terceiros colocados na Copa do Mundo 2016 e  no mundial 2013

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

A dupla brasileira é composta por Ian Matos e Luis Felipe Outerelo (foto) e está nos jogos pelo fato do Brasil ser o país sede. No mundial de 2013, ficaram ana 13ª colocação, a 14 pontos da final. No Rio, tentarão melhorar a marca, mas dificilmente conseguirão bater os favoritos. Uma sexta colocação já seria um bom resultado.As chances de medalha são baixas

 saltor ornamentais ian

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: China

Prata: Rússia

Bronze: Grã-Bretanha

 

PLATAFORMA 10m MASCULINO

HISTÓRICO: A prova é disputada desde 1904 e tem os Estados Unidos como maiores campeões com 15 medalhas de ouro. Nas primeiras 13 edições da prova, os americanos conquistaram 10 medalhas ouros, perdendo apenas duas vezes para a Suécia (1908 e 1912) e para o México (1956). O italiano Klaus Dibiasi quebrou a hegemonia americana e foi tricampeão de 1968 até 1976. A partir de 1984, a China tomou o lugar dos EUA de maior potência da modalidade, medalhando em todas as edições desde então e conquistando 3 ouros (1992, 1996 e 2004). Perderam o título em casa em 2008 para a Rússia e para os americanos em 2012.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

O chinês Qiu Bo (foto), medalhista de prata há quatro anos em Londres, chega como favorito a conquistar o único título que lhe falta: o de campeão olímpico. Ele é o atual tricampeão mundial e venceu a Copa do Mundo no Rio em 2016. O atual campeão olímpico David Boudia, dos Estados Unidos, tenta bater o chinês novamente. Tom Delay, xodó da Grã-Bretanha em Londres 2012, tenta surpreender novamente. México, Austrália e Rússia também tem atletas que podem medalhar.

saltos ornamentais qiu

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Qiu Bo (China) – campeão mundial 2013 e 2015

Tom Daley (Grã-Bretanha) – terceiro colocado no mundial 2015 e em Londres 2012

David Boudia (Estados Unidos) – vice-campeão mundial em 2013 e 2015, campeão em Londres 2012

Sascha Klein (Alemanha) – terceiro colocado no mundial 2013

German Sanchez (México) – 4º no mundial 2013

Ivan Garcia (México) – 4ª no mundial 2015

Benjamin Auffret (França) – 5º no mundial 2015

Nikita Shleikher (Rússia) – bronze no último campeonato europeu

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

Hugo Parisi (foto), 31 anos, representará o Brasil. Ele está na sua quarta olimpíada e nunca chegou a  uma semifinal. Não disputou os dois últimos mundiais. Se conseguir ficar entre os 12, será um grande resultado.  As chances de medalha são baixas

 saltos ornamentais hugo parisi

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Qiu Bo (China)

Prata: David Boudia (Estados Unidos)

Bronze: Ivan Garcia (México)

 

TRAMPOLIM SINCRONIZADO DE 10M MASCULINO

HISTÓRICO: A prova sincronizada estreou no programa olímpico em 2000 e é dominada pela China. Das 4 edições, a China venceu 3, perdendo apenas a primeira para a Rússia. A Alemanha é a única ao lado da Rússia que possui duas medalhas (uma de prata e uma de bronze). México e Estados Unidos conquistaram respectivamente prata e bronze em Londres 2012.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

São apenas 8 duplas disputando. A China é favorita a levar o ouro com a dupla Chen Aisen e Lin Yue. Rússia, México, Alemanha, são os que podem incomodar os chineses. Estados Unidos, Ucrânia e Grã-Bretanha podem surpreender. O Brasil não deve ter chances.

 saltos ornamentais chen

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Chen Aisen e Lin Yue (China) – campeões mundiais em 2013 e 2015 e em Londres 2012

Ivan Garcia e German Sanches (México) – vice-campeões mundiais em 2015 e em Londres 2012, 4ª colocação no mundial 2013

Roman Izmailov e Viktor Minibaev (Rússia) – 3º colocação no mundial 2015, vice-campeões mundiais 2013

Patrick Hausding e Sascha Klein (Alemanha) – campeões mundiais em 2013, vice-campeões mundiais

Maksym Dolgov Oleksandr Horshkovozov (Ucrânia) – 4º colocação no mundial 2015

David Boudia e Steele Johnson (Estados Unidos) 5ª colocação no mundial 2015; Boudia foi terceiro colocado em Londres com outro parceiro.

Tom Daley e Daniel Goodfellow (Grã-Bretanha) – terceiros colocados na Copa do Mundo 2016

 QUEM REPRESENTA O BRASIL?

Hugo Parisi, que representa o país na prova individual, estará ao lado de Jackson Rondinelli (foto). Os dois não disputaram o mundial em 2013 e em 2015 ficaram na 19ª colocação de 20 possíveis. Estão nos Jogos porque o Brasil possui vaga por ser o país sede. Ficar na frente de um dos outros sete países. As chances de levar uma medalha são baixas

saltos ornamentais jackson

PALPITE DO GUIA:

ouro: Chen Aisen e Lin Yue (China)

prata: Ivan Garcia e German Sanches (México)

bronze: Patrick Hausding e Sascha Klein (Alemanha)

 

FEMININO

TRAMPOLIM DE 3M FEMININO

HISTÓRICO: A prova já foi disputada 22 vezes desde 1924. Até 1976, os Estados Unidos tinham conquistado simplesmente 31 das 39 medalhas distribuídas, sendo 11 das 13 de ouro. As outras duas foram para a Alemanha. A partir de 1988, a China tomou o lugar das americanas e conquistou simplesmente todas as 7 medalhas de ouro e 4 das 7 medalhas de prata distribuídas desde então. A Rússia conquistou as 3 medalhas de prata.

 QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A China tem tudo para fazer mais uma dobradinha no pódio e conquistar o impressionante oitavo ouro consecutivo desde 1988. Shi Tingmao (foto) é a atual campeã mundial, mas encara a compatriota He Zi, campeã mundial em 2013 e vice-campeã olímpica. A briga é para ver qual das duas atletas fica com o ouro. O bronze deve ficar entre as duas atletas do Canadá e Itália. Austrália e Holanda podem surpreender.

saltos ornamentais tingmao

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Shi Tingmao (China) –  campeã mundial em 2015 e da Copa do Mundo 2016 e lidera o ranking

He Zi- China (China)-  campeã mundial em 2013, vice-campeã em 2015, vice-campeã da do Copa do Mundo 2016 Vice campeã em Londres 2012

Tania Cagnotto (Itália) -terceira colocada no mundial 2015

Jennifer Abel (Canadá) – terceira colocada na Copa do Mundo 2016

Pamela Ware (Canadá) – terceira colocada no mundial 2013

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL?

O Brasil terá a experiente Juliana Veloso. Aos 35 anos, está indo para a sua quinta Olimpíada. No Mundial 2015, ficou com a 43ª colocação de 47 possíveis. Seu melhor resultado foi um décimo sexto lugar em Atenas 2004 e um nono lugar na fase de classificação da etapa do Rio da Copa do Mundo. O objetivo é chegar a uma semifinal. Quem sabe em casa, não consiga surpreender e repetir o que fez em 2016. As chances de levar uma medalha são baixas

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Shi Tingmao (China)

Prata: He Zi- China (China)

Bronze: Pamela Ware (Canadá)

 

TRAMPOLIM SINCRONIZADO 3m FEMININO

HISTÓRICO: A prova do trampolim sincronizado entrou para o programa olímpico apenas em 2000 e é dominada pela China. Venceram 3 das 4 edições, perdendo apenas a primeira para a Rússia. A atleta Wu Minxia é tricampeã olímpica. A Rússia possui duas pratas além do ouro de 2000. Estados Unidos e Canadá foram prata e bronze em 2012.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A China (foto) tem tudo para vencer mais uma. São campeãs mundiais em 2015, venceram a etapa da copa do mundo do Rio e uma das atletas da dupla é Wu Minxia (foto), simplesmente tricampeã na olímpica na prova. Prata e bronze deve ficar entre Canadá, Itália e Austrália.

saltos ornamentais wu minxia

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Wu Minxia e Shi Tingmao (China). Atuais campeãs mundiais e da Copa do Mundo. Minxia foi campeã em Londres 2012

Jennifer Abel e Pamela Ware (Canadá) – vice-campeãs mundiais em 2015, terceiras colocadas em 2013 e vice-campeãs na Copa do Mundo 2016.

Tania Cagnotto e Francesca Dallapé (Itália)- vice-campeãs mundiais 2013

Qin Fan e Samantha Mills (Austrália) – terceiras colocadas no Mundial 2015 e na copa do mundo

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil terá a dupla Juliana Veloso e Tammy Takagi (foto). Não tiveram grandes resultados no último ciclo. No Mundial 2015, ficaram na 18ª colocação. Se ficarem entre as 6 no Rio, será um grande resultado. As chances de medalha são baixas

saltos ornamentais juliana veloso e rogr

PALPITE DO GUIA:

Ouro: China

Prata: Canadá

Bronze: Austrália

 

PLATAFORMA 10m FEMININO

HISTÓRICO: A prova é disputada desde 1928 e os Estados Unidos tem a maior quantidade de medalhas (28 das 49 entregues até hoje) e o maior número de títulos (9). A partir de 1984, a China passou a dominar a modalidade, conquistando 6 ouros em 8 disputados desde então. Canadá e Austrália cresceram bastante a partir dos anos 2000, com as australianas vencendo o ouro em Atenas 2004.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

De todas as provas sincronizadas, esta é a que a China tem mais chances de perder sua hegemonia. A norte-coreana Kim Kuk (foto) bateu as chinesas Ren Qian e Si Yajie no Mundial 2015. Em 2016, Ren Qian venceu a Copa do Mundo disputada no Rio de Janeiro, com sua compatriota na segunda colocação. A atleta da Malásia, terceira colocada em Londres 2012 e no Mundial 2015 podem surpreender

saltos ornamentais corea norte

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Kim Kuk Hyang (Coreia do Norte) – campeã mundial 2015

Ren Qian (China) – vice-campeã mundial 2015 e campeã da Copa do Mundo 2016

Si Yajie- (China) – 4º no mundial 2015 e vice-campeã da Copa do Mundo 2016. Campeã mundial 2013

Pandelela Pamg (Malásia) – terceira colocada no mundial 2015 e em Londres 2012.

Paola Espinosa (México) –  campeã mundial em 2009 e bronze em 2011. Tricampeã pan-americana

Melissa Wu (Austrália) – terceira colocada da Copa do Mundo 2016.

Brittany Broben (Austrália) – vica-campeã em Londres 2012

Roseline Filion- Canadá: 5º do ranking

Tonia Couch- Grã-Bretanha: prata no último campeonato europeu

Yullia Prokopchuk (Ucrânia) – terceira colocada no mundial 2013.

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

Ingrid de Oliveira (foto) disputará a prova pelo Brasil após ter conquistado uma vaga realocada pela Federação Internacional de Natação. Seus melhores resultados são na competição em dupla. Superar o 24º lugar alcançado na Copa do Mundo em 2016 já será um grande feito. Um avanço a segunda rodada seria excelente para a jovem carioca de apenas 20 anos. As chances de medalha são baixas

 saltos ornamentais ingrid de oliveira

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Ren Qian (China)

Prata: Kim Kuk Hyang (Coreia do Norte)

Bronze: Melissa Wu (Austrália)

 

PLATAFORMA SINCRONIZADA DE 10M FEMININO

HISTÓRICO: A prova sincronizada estreou no programa olímpico em 2000 e foi vencida quatro vezes pela China.  O Canadá é o segundo maior medalhista da modalidade, com uma prata e dois bronzes. Austrália e México possuem uma medalha de prata e uma de bronze cada.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

São apenas 8 duplas disputando. A China é favorita a levar o ouro. São bicampeãs mundiais e uma de suas atletas tem 3 títulos olímpicos e 5 mundiais. O Canadá é a segunda força mundial na plataforma sincronizada e deve ficar com a prata. Para o bronze, Coreia do Norte, Malásia, México e Grã-Bretanha são os candidatos. Brasil e Estados Unidos correm por fora.

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Chen Ruolin e Liu Huixia (China) – campeãs mundiais em 2015 e 2013.

Meaghan Benfeito e Roseline Filion (Canadá) –  vice-campeãs mundiais em 2015 e 2013 e terceiras colocadas em Londres 2012

Kim Uh-hyang e Song Nam-hyang (Coréia do Norte) – terceiros colocados no mundial 2015

Paola Espinosa e Alejandra Orozco (México) – vice-campeãs em Londres 2012, quartas colocadas o mundial 2015

Cheong Jun Hoong e Pandelela Pamg (Malásia) – vice-campeãs na Copa do Mundo 2016, terceiras colocadas no mundial 2013

Lois Toulson e Tonia Couch (Grã-Bretanha) -Tonia foi terceira colocada com outra parceira na Copa do Mundo 2016

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL?

Ingrid Oliveira e Giovanna Pedroso (foto) são as representantes do Brasil. Elas surpreenderam nos Jogos Pan Americanos de Toronto 2015 ao conquistar a medalha de prata. Na ocasião, bateram as mexicanas, medalhistas de prata na última olimpíada e só perderam para as canadenses, segunda força mundial. Fizeram uma pontuação de 291.36 pontos. No Mundial em 2015, ficaram em décimo segundo, com uma pontuação de 283.68 pontos.

Para pensar em medalhas, as brasileiras terão que melhorar a pontuação. Se fizerem de 300 a 320 pontos, podem começar a sonhar. Ficar entre as 5, entretanto, será um grande resultado. As chances de levar uma medalha são baixas

PALPITE DO GUIA:

ouro: Chen Ruolin e Liu Huixia (China)

prata: Meaghan Benfeito e Roseline Filion (Canadá)

bronze: Cheong Jun Hoong e Pandelela Pamg (Malásia)



Paulistano, 27 anos, deixou a publicidade e o marketing esportivo para ingressar no jornalismo e conseguir cobrir grandes eventos esportivos. Apaixonado por esportes olímpicos e futebol americano, sonha em estar no Rio de janeiro em 2016 para cobrir os Jogos Olímpicos in loco.