Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Movimento Bom Senso FC chega ao fim

O movimento Bom Senso FC, que fazia protestos por melhorias no futebol brasileiro e críticas à CBF e dirigentes, chegou ao fim. O grupo, que era liderado pelo zagueiro Paulo André e contava com a participação de jogadores como o meia Alex e o ex-goleiro Rogério Ceni, não conseguiu manter a força e o ímpeto de três anos atrás, no início do protesto. A apuração é do portal Painel FC, do jornal Folha de São Paulo.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Divulgação/Site Oficial Bom Senso FC

LEIA MAIS:

MERCADO DA BOLA: VEJA AS NOVIDADES NAS NEGOCIAÇÕES DO PALMEIRAS

Os líderes da organização ainda irão decidir se acabarão com todo o movimento de vez ou se continuarão com advogados e executivos como representantes para marcar presença em pautas pontuais no Congresso Nacional, em Brasília. Certo é que os jogadores não vão mais se manifestar em nome do Bom Senso.

O grupo gastou, em três anos de existência, cerca de R$500 mil, boa parte do valor doada pelo líder e zagueiro do Atlético-PR, Paulo André. O movimento participava de reuniões sobre o Profut, programa de responsabilidade fiscal do futebol brasileiro que tem como objetivo ajudar os clubes a quitar dívidas.

BOM SENSO FC

O movimento teve início no dia 30 de setembro de 2013, a partir de jogadores que não se conformaram com o calendário de 2014, que seria muito apertado por conta da parada para a Copa do Mundo. O objetivo era garantir melhores condições de prática da profissão. “Bom Senso FC: o movimento de quem joga, de quem torce, de quem apita, de quem transmite, de quem patrocina” era o slogan do grupo.

Para uns, revolucionário, já que foi o primeiro movimento liderado por jogadores sem amparo de Cartolas. Para outros, (na maioria mandatários) rebelde, o que criou um ar de guerra entre os manifestantes e os dirigentes dos clubes. A principal ação talvez tenha sido a dos jogadores terem se sentado no gramado no início das partidas do fim do Campeonato Brasileiro de 2013. (relembre aqui) Apesar das ameaças, os atletas não chegaram a fazer greves. Com a Copa do Mundo, o movimento foi perdendo força até chegar ao fim.