Rio 2016: acompanhe a prova da espada na esgrima. Brasileira pode surpreender

Hoje, na esgrima, ocorrem as provas da espada no feminino. Saiba aqui quem são as brasileiras que competem, os favoritos para ganhar medalhas e como funciona a disputa. As eliminatórias das provas começam a partir das 9hs da manhã do horário de Brasília e as finais começam a partir das 16hs. Adiantamos que existe uma chance de medalha na prova…

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: crédito: reprodução facebook

LEIA MAIS: GUIA TORCEDORES.COM ESGRIMA

 

ESPADA

DIFERENÇA PARA AS OUTRAS DUAS ARMAS:

A espada é a maior e mais pesada das três armas – mede 110 cm e pesa por volta de 770 g – e tem a ponta retrátil. Qualquer toque no adversário, dos pés à cabeça, é valido como pontuação. Dentre as três armas, é a mais adequada aos jogadores altos.

Amanda Simeão, reperesentante do Brasil na Espada

Amanda Simeão, uma das representantes do Brasil na Espada

 

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

Na esgrima, ocorrem disputas nas três armas no masculino e feminino e quatro competições por equipes, sendo duas na espada (masculino e feminino) uma no sabre (feminino) e uma no florete (masculino). São portanto, 10 medalhas distribuídas. Na disputa individual, ganha aquele que chegar primeiro a 15 pontos ou quem estiver ganhando após o término do tempo estipulado (três tempos de três minutos, com o cronômetro parando a cada interrupção dos juízes). Os oito primeiros colocados do ranking são cabeça de chave e já entram na rodada de 32. A partir daí,o atleta precisa vencer três partidas para chegar nas semifinais.

 

ESPADA FEMININA INDIVIDUAL

HISTÓRICO: a espada feminina só entrou para o programa olímpico em 1996. A França é a maior medalhista da prova, com cinco medalhas (dois ouros, uma prata e um bronze) no total.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Itália (foto) e Rússia chegam fortes na espada feminina. Ambas têm 3 atletas ranqueadas entre as 30 melhores do mundo. A França, curiosamente, não tem nenhuma, apesar da tradição. A China cresceu muito nos últimos anos, conseguindo um inédito bronze em 2012. Em 2016, a líder é chinesa e deve dar trabalho também. Hungria, Tunísia, Romênia, Estônia e Estados Unidos também podem surpreender.

Rosella Flamingo, uma das favoritas ao ouro na espada. Crédito: reprodução facebook

Rosella Flamingo, uma das favoritas ao ouro na espada. Crédito: reprodução facebook

 

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Rossella Fiamingo (Itália) – bicampeã mundial 2014 e 2015

Xu Anqi (China) – terceira colocada no mundial 2015 e líder do ranking mundial em 2016

Tatiana Logunova (Rússia) – terceira colocada no ranking mundial 2016

Sarra Besbes (Tunísia) – terceira colocada no mundial em 2015

Yana Shemyakina (Ucrânia) – terceira colocada no mundial 2014 e campeã olímpica 2012

Julia Beijajeva (Estônia) – campeã mundial em 2013

Erika Kirpu (Estônia) – terceira colocada no mundial 2014

Emese Szasz-(Hungria) –  terceira colocada no mundial 2013

Sun Yujie (China) –  terceira colocada na Olimpíada 2012

Ana Maria  Popescu (Romênia) sexta colocada no ranking mundial 2016

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

crédito: reprodução facebook

crédito: reprodução facebook

 

Três atletas representam o Brasil. Amanda Simeão ( 68º do ranking) , Rayssa Costa ( 62º do ranking) e Nathalie Moellhausen (foto). Destas, a última é a maior esperança do Brasil. A italiana naturalizada brasileira já foi campeã europeia pelo seu país de nascença em 2007 e campeã mundial por equipes em 2009. Além disso, tem mais quatro medalhas em grandes competições: bronze no campeonato mundial individual em 2010, bronze por equipes no mundial em 2011, prata no campeonato europeu por equipes em 2009 e bronze no campeonato europeu individual em 2011. Ela foi a única brasileira a se classificar sem o sistema de cotas para o país sede. Na vigésima terceira colocação do ranking, consegue encarar as principais atletas do mundo de igual para igual. Não entra como favorita a medalha, mas pode surpreender. Diríamos que as chances de medalhas de Nathalie são médias.

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Rossella Fiamingo (Itália),

prata: Tatiana Lugonova (Rússia)

bronze: Sarra Besbes (Tunísia)

Nathalie Moellenhausen: chega às quartas-de-final