Ex-jogador da seleção de vôlei se irrita com atuação dos EUA: “Vão caçar pokémon”

Em uma atuação impecável no vôlei masculino, a seleção dos Estados Unidos tirou a invencibilidade do Brasil nas Olimpíadas de 2016 nesta quinta-feira. Os norte-americanos capricharam no saque e na defesa para impor aos brasileiros uma derrota por três sets a um, com parciais de 25/20, 25/23, 20/25 e 25/20. O resultado deixa o Brasil na segunda colocação do Grupo A, atrás apenas da Itália, enquanto os EUA se recuperam de duas derrotas seguidas.

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: FOTO: Alexandre Arruda / CBV

SAIBA AQUI TUDO SOBRE AS OLIMPÍADAS RIO 2016

Os campeões olímpicos de 2008, em Pequim, não vinham nada bem no início dos Jogos no Rio de Janeiro. De forma surpreendente, perderam os seus dois primeiros jogos por 3×0, contra Itália e Canadá. Já diante do Brasil, nesta quinta-feira, os americanos recuperaram a velha forma e fizeram um jogo quase perfeito. Essa “bipolaridade” dos EUA irritou o ex-jogador da seleção brasileira Gustavo Endres, que se manifestou no Twitter.

Na mensagem, Gustavo faz referência ao jogo de realidade aumentada que é febre entre os jovens do mundo inteiro. O Pokémon Go chegou recentemente ao Brasil e mobiliza os seus usuários em busca dos monstrinhos espalhados pelas cidades. O antigo meio de rede demonstrou incompreensão sobre como um time que perde de 3×0 para Canadá e Itália consegue vencer o Brasil.

Gustavo era um dos homens de confiança do time de Bernardinho em 2004, nas Olimpíadas de Atenas, na Grécia, onde o Brasil conquistou medalha de ouro no vôlei masculino. Na ocasião, conforme o próprio ex-jogador relembrou em seu Twitter, os brasileiros também haviam perdido para os EUA na primeira fase. Que, em 2016, a história se repita.