Futebol Olímpico: dinamarqueses prontos para repetir 1972

No próximo dia 27 de agosto, a Dinamarca comemora mais um aniversário da vitória contra brasileiros nos jogos de 1972 em Munique, Alemanha. E é naquele 3 a 2 conquistado há 43 anos que os meninos vermelhos se inspiram para fazer história e adiar mais uma vez o sonho olímpico do futebol masculino brasileiro.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Foto: Divulgação/ Facebook Oficial da CBF

LEIA MAIS:
APÓS ELIMINAÇÃO, JOGADORES ARGENTINOS PROTAGONIZAM BRIGA NAS OLÍMPIADAS
BRASIL X DINAMARCA: SAIBA COMO ASSISTIR AO JOGO AO VIVO

Esse será apenas o segundo encontro entre os países em Jogos Olímpicos. O segundo por uma fase de grupos. Naquela ocasião de 1972 o encontro no Drei Flüsse Stadion ou Estádio dos Três Rios na pequena Passau, na baixa Baviera, marcava a estreia das equipes na competição e o 3 a 2 daquela tarde de agosto ajudou os dinamarqueses a se classificarem para a segunda fase e fazer o time brasileiro terminar na lanterna da competição. Os gols daquele jogo foram marcados por Simonsen (2 vezes) e Rontved pelo lado vermelho, Dirceu e Zé Carlos pelo verde e amarelo.

Excluindo-se o fato de a partida de 43 anos atrás ter sido disputado numa estreia, o resultado final pode ser exatamente o mesmo quando o apito final for emitido. Os dinamarqueses, líderes do Grupo A com 4 pontos, precisam de apenas um empate na Fonte Nova, em Salvador, para seguir em frente na competição. Até mesmo se perderem podem se classificar, desde que Iraque e África do Sul empatem.

Para conquistar a vaga os dinamarqueses apostam na altura de seus jogadores, a média do time é de 1,87 m – o mais alto jogador brasileiro é o goleiro Weverton com 1,86 m – o que certamente ajudará os conterrâneos dos irmãos Laudrup a montar uma forte barreira defensiva contra o ataque brasileiro, que deverá ter mudanças como a entrada de Luan entre os titulares.

Outra aposta dos dinamarqueses é na força coletiva – algo que não foi visto no time canarinho nas duas primeiras partidas neste Rio 2016. Nos dois jogos que fizeram até agora, os comandados de Niels Frederiksen apostaram nos contra-ataques, a estratégia no entanto não foi confirmada pelo treinador para a partida desta noite.

Na imprensa dinamarquesa o clima é de cautela. São poucas páginas de jornais e sites falando do jogo. Todos reconhecem que no geral o time local tem limitações, a maioria das publicações faz coro com o treinador, que além da força individual aponta a presença do torcedor nas arquibancadas como provável fator extra de motivação aos brasileiros.

Brasil e Dinamarca se enfrentam na Fonte Nova a partir das 22h desta quarta-feira. O duelo pode repetir a história de 1972 ou representar uma revanche e manter os anfitriões dos Jogos na disputa pela medalha de ouro inédita no futebol masculino.