GUIA RIO 2016 TORCEDORES.COM – SAIBA TUDO SOBRE O CICLISMO PISTA

O Torcedores.com continua seu especial para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016 que conta um pouco da história de cada esporte olímpico, algumas curiosidades para você contar por aí, além de informar os favoritos das provas e quem são os brasileiros nelas. Falaremos um pouco do Ciclismo Pista, uma das modalidades que tem a cara de quem gosta de velocidade

Redação Torcedores
Colaborador do Torcedores

LEIA O GUIA RIO 2016 DE OUTROS ESPORTES:
ATLETISMO, BADMINTONBASQUETE MASCULINO, BASQUETE FEMININO, BOXECANOAGEM VELOCIDADECANOAGEM SLALOM, CICLISMO BMX, CICLISMO ESTRADA, CICLISMO MOUNTAIN BIKE, CICLISMO PISTA, ESGRIMAFUTEBOL MASCULINOFUTEBOL FEMININO, GINÁSTICA ARTÍSTICA, GINÁSTICA RÍTMICA, GINÁSTICA DE TRAMPOLIM, GOLFEHANDEBOLHIPISMO, JUDÔ, LEVANTAMENTO DE PESO, LUTA, MARATONA AQUÁTICA, NADO SINCRONIZADO, NATAÇÃO, PENTATLO MODERNOPOLO AQUÁTICO, REMORUGBY DE SETE, SALTOS ORNAMENTAIS,TAEKWONDOTÊNISTÊNIS DE MESA,TIRO COM ARCOTIRO ESPORTIVO, TRIATLO, VELAVÔLEI FEMININO,  VÔLEI MASCULINOVÔLEI DE PRAIA

Por Erik Ulysses e Rafael Freitas

INTRODUÇÃO: O ciclismo de pista, assim como as outras modalidades do ciclismo, teve início na Inglaterra dos anos XIX, por volta de 1870, tendo sido realizado o primeiro mundial no ano de 1885. O esporte em pista coberta surgiu como uma alternativa para que o ciclismo não dependesse tanto das condições meteorológicas como acontece no ciclismo de estrada. Assim também poderiam ser cobrados ingressos para aqueles que queriam assistiras provas, o que não era possível com o ciclismo de estrada. O local em que se disputam as provas tem o nome de velódromo e possuía a sua pista feita em madeira. O ciclismo pista está presente em Jogos Olímpicos desde a primeira edição do evento, em 1896, tendo ficado de fora apenas da edição de Estocolmo em 1912. Em Seul 1988 as mulheres puderam competir pela primeira vez em um velódromo olímpico.

VOCÊ SABIA?

  • Que o capacete do ciclismo tem aquele formato para melhorar a aerodinâmica em provas de velocidade?
  • Que as bicicletas não possuem freios e nem marchas?
  • Que as pernas dos atletas do ciclismo pista são absurdamente fortes? Confira a imagem abaixo!

The legs of second placed German team, including Rene Enders, Robert Forstemann and Maximilian Levy are pictured during the ceremony in the men's team sprint race at the 2014 UCI Track Cycling World Championships in Cali...The legs of second placed German team, including Rene Enders, Robert Forstemann and Maximilian Levy are pictured during the ceremony in the men's team sprint race at the 2014 UCI Track Cycling World Championships in Cali February 26, 2014. REUTERS/Jaime Saldarriaga (COLOMBIA - Tags: SPORT CYCLING TPX IMAGES OF THE DAY)

HISTÓRICO:

Fazendo parte do programa olímpico desde seu início, a França, a Itália e a Grã-Bretanha são as maiores vencedoras do ciclismo olímpico. Mas cabe ao britânico Chris Hoy o feito de ser o maior nome da história olímpica das pistas de madeira. Com sete medalhas douradas no currículo, além de uma prata, Hoy recebeu o título de Sir na Grã Bretanha. Ao longo dos mais de cem anos de ciclismo de pista em Olimpíadas, várias provas saíram e outras entraram no programa de disputas. Atualmente são disputadas dez provas, sendo cinco no feminino e cinco no masculino.

SPRINT INDIVIDUAL

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

  • Dois ciclistas precisam percorrer três voltas eliminatórias na pista, mas somente a última é cronometrada. As duas primeiras voltas são lentas e estratégicas, e servem para os ciclistas se estudarem e procurem a melhor posição de “ataque”, sempre atentos a não dicar no ataque e dar a vantagem do vácuo.Na terceira volta, os atletas explodem, chegando a atingir mais de 70km/h. Quem cruzar a linha de chegada primeiro, vence.

MASCULINO

HISTÓRICO

A França já conquistou sete medalhas, enquanto a Itália levou quatro ouros. A Grã-Bretanha é a atual campeã com Jason Kenny

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

Atual campeão olímpico e mundial. Jason Kenny (foto) é uma das grandes estrelas das pistas nos Jogos do Rio de Janeiro. O astro britânico é casado com outra ciclista laureada da terra da rainha, Laura Trott. Mas tem quem promete atrapalhar o terceiro ouro consecutivo dos britânicos na prova. Os franceses François Pervis e Grégory Baugé, juntamente com o australiano Matthew Glaetzer darão trabalho ao britânico. Fique de olho também no polonês Damian Zielinsk, atual líder do ranking mundial, Denis Dmitriev da Rússia e Max Niederlag da Alemanha.

ciclismo pista jason

PRINCIPAIS RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO

Jason Kenny: Atual campeão olímpico e mundial

Grégory Baugé: Vice-campeão olímpico em 2012 e vice no mundial de 2015

François Pervis: Foi campeão mundial de 2014 e medalhista de bronze no mundial de 2013

Matthew Glaetzer: Medalha de prata no mundial desse ano, perdendo para Jason Kenny

Damian Zielinsk: Quarto colocado no mundial de 2016. Atual líder do ranking mundial

Denis Dmitriev: Foi o ciclista mais regular de todo o ciclo olímpico, tendo levado medalha em todos os mundiais. Foi prata em 2013, bronze em 2014, prata em 2015 e bronze em 2016.

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O país não terá representante nessa modalidade

PALPITE DO GUIA:

ouro: Jason Kenny

prata: Denis Dmitriev

bronze: Damian Zielinsk

FEMININO

HISTÓRICO

A prova do Sprint teve início durante os jogos de Seul em 1988. Sendo uma prova recente, apenas a França venceu a prova por duas vezes, em 1996 e 2000.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

Atual campeã olímpica, a australiana Anna Meares (foto) tentará no Rio de Janeiro o bicampeonato no Sprint, mas deverá encontrar na alemã Kristina Vogel uma adversária de peso. Bicampeã mundial no ciclo, a alemã campeã por equipes em Londres 2012, tentará sua primeira medalha individual. Também estarão na briga pelo pódio as chinesas Zhong Tiamshi e Lin Junhong Li, Becky James da Grã-Bretanha e Wai Sze Lee, de Hong Kong.

ciclismo pista anna meares

PRINCIPAIS RESULTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS

Anna Meares: Atual campeã olímpica

Kristina Vogel: Dois títulos mundiais no ciclo em 2014 e 2015. Foi bronze em 2013.

Wai Sze Lee: Bronze no mundial de 2013,

Becky James: Campeã mundial de 2013

Zhong Tianshi: Campeã mundial de 2016, bronze em 2015 e prata em 2014

Lin Junhong Li: Medalhista de prata no mundial de 2016, bronze em 2014

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representante na prova

PALPITE DO GUIA

ouro: Zhong Tianshi

prata: Kristina Vogel

bronze: Anna Meares

 

SPRINT POR EQUIPES MASCULINO

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

  • A modalidade é disputada por duas equipes de três ciclistas. As equipes largam em posições opostas na pista, e a cada volta um ciclista sai da prova, até que o último termine sozinho. Vence a equipe com a menor soma de tempos.

HISTÓRICO

A prova masculina entrou no cronograma olímpico em Sidney 2000 e tem os britânicos como os maiores vencedores, com dois ouros conquistados.

No feminino a prova estreou na última edição tendo a Alemanha como campeã, a China como prata e a Austrália como bronze.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

Durante todo o ciclo olímpico a equipe da Alemanha foi muito constante, tendo subido ao pódio nos quatro mundiais disputado. Foram campeões em 2013 e somaram uma prata e dois bronzes nas outras edições. Atual campeã mundial, a Nova Zelândia (foto) talvez possa ser aponta como favorita ao ouro, já que também levaram o ouro no mundial de 2013 e a prata em 2014 e 2015. Também devem entrar forte para a briga das medalhas a Holanda, a França e a Grã-Bretanha. Completam os países que disputam a prova a Venezuela, Polônia, Venezuela, Austrália e Coréia do Sul.

ciclismo pista nova zelandia

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS COMPETIDORES NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO

Grã-Bretanha: Atuais campões mundiais. Esse ano ficaram distante do pódio no mundial, apenas em sexto lugar

Nova Zelândia: Campeões mundiais em 2013 e 2016, vice-campeões em 2014 e 2015

França: Campeões do mundial de 2015, somaram ainda dois bronzes nas edições de 2013 e 2014

Alemanha: Campeões mundiais em 2013 e 2016, somam ainda dois bronzes nos mundiais de 2014 e 2015.

Holanda: Medalhistas de prata no mundial de 2016

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O país não terá representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA

ouro: Nova Zelândia

prata: Alemanha

bronze: França

FEMININO

A modalidade é disputada por duas equipes de duas ciclistas. As equipes largam em posições opostas na pista, e a cada volta um ciclista sai da prova, até que o último termine sozinho. Vence a equipe com a menor soma de tempos.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

A prova será disputada pela França, Canadá, Rússia, Espanha, China, Itália, Austrália, Nova Zelândia e Alemanha. A dupla alemã será formada por Miriam Welt e Kristina Vogel (as duas ao centro na foto), uma parceria forte que rendeu o ouro em Londres 2012, além de dois títulos mundiais nesse ciclo. Rússia, atual campeã mundial, China, que subiu ao pódio em todos os mundiais do ciclo e por sete mundiais seguidos, e Austrália devem brigar por duas vagas no pódio.

ciclismo pista mirian

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS PARTICIPANTES NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO

Austrália: Bronze no mundial de 2015

Alemanha: Atuais campeãs olímpicas. Foram campeãs mundiais em 2013 e 2014, bronze em 2016

China: Campeãs mundiais em 2015 e vice-campeãs em 2013,2014 e 2016

Rússia: Campeãs mundiais de 2016 e prata em 2015

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA

ouro: China

prata: Alemanha

bronze: Rússia

KEIRIN

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

  • Muitos a conhecem como a prova da “motinha”. A competição, também em Sprint, é disputada por seis ciclistas que seguem atrás de uma motocicleta que vai aumentando a velocidade gradativamente. Faltando cerca de 700 metros para o fim da prova, a motocicleta sai de cena e os ciclistas enfim disputam as medalhas. O Keirin no masculino estreou em 2000 e no feminino a primeira edição foi disputada em Londres 2012. Somando-se o masculino com o feminino a Grã-Bretanha lidera o quadro de medalhas da prova com três ouros. França e Austrália somam um ouro cada.

MASCULINO

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

Com a aposentadoria do maior medalhista olímpico da história do ciclismo, Chris Hoy, a britânico Jason Kenny terá no Keirin mais uma chance de igualar ou até mesmo ultrapassar seu compatriota no quadro geral de medalhas. Para isso, Kenny terá que superar nomes como o do atual campeão mundial, o alemão Joachim Eilers, o neozelandês Eddie Dawkins, o francês François Pervis e Azizulhasni Awang, da Malásia, que conseguiu medalhas nos dois últimos mundiais. Também estão no páreo o colombiano Fabian Puerta e o japonês Yuta Wakimoto.

CICLISMO PISTSA FRANCOIS

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS PARTICIPANTES NO ÚLTIMO CICLO

Jason Kenny: Foi campeão mundial em 2013

Joachim Eilers: Atual campeão mundial. Também venceu a Copa do Mundo de 2015/2016

Eddie Dawkins: Medalhista de prata em 2015 e 2016

François Pervis: Bicampeão mundial em 2014 e 2015

Azizulhasni Awang: Bronze nos mundiais de 2015 e 2016

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O país não terá representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA

ouro: François Pervis

prata: Joachim Eilers

bronze: Eddie Dawkins

FEMININO

Quem chega forte ao Rio: Mais uma prova para ficar atento em Kristina Vogel (foto). Atual campeã mundial, ela ainda somou outro título em 2014. Anna Meares, uma das maiores atletas do ciclismo australiano e que será porta-bandeira do país nos jogos, também é uma forte concorrente ao pódio do Keirin. Nomes como o da britânica Backy James, Lisandra Guerra de Cuba e das chinas, podem também pintar no pódio.

CICLISMO PISTA KRISTINA

Principais resultados dos favoritos nos últimos quatro anos:

Anna Meares: Campeã mundial em 2015, prata em 2014 e 2016

Kristina Vogel: Campeã mundial em 2014 e 2016

Backy James: foi ao pódio por três vezes em mundiais no ciclo, sendo ouro em 2013 e bronze em 2014 e 2016

Lisandra Guerra: Levou o bronze para Cuba no mundial de 2013 e 2014

Lee Wai Sze: A atleta de Hong Kong foi medalhista de prata na Copa do Mundo de 2015/2016

Gong Jinjie: A chinesa foi medalha de prata no primeiro mundial do ciclo, em 2013

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O país não terá representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA

ouro: Kristina Vogel

prata:Anna Mears

bronze: Backy James

 

OMNIUM

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

  • A modalidade é uma espécie de “decatlo” do ciclismo, apesar de possuir seis provas e não dez como a do atletismo. A competição é dividida em seis provas diferentes, disputadas durante dois dias. O vencedor de cada prova ganha um ponto e ao final de todas as provas, quem tiver acumulado mais pontos é o grande ganhador da categoria. As seis provas são: Flying Lap(Cada ciclista dá uma volta de 250m sozinho, contrarrelógio. Quem fizer o melhor tempo, ganha), corrida de pontos (Os pontos são disputados em Sprints que acontecem a cada 10 voltas e o ciclista também ganha pontos se conseguir dar a volta no pelotão), Eliminação (O pelotão disputa sprint eliminatórios, o último que passar pela linha de chegada a cada duas voltas é eliminado da competição, vencendo quem fica até o fim) perseguição individual (Dois ciclistas largam em lados opostos do velódromo, disputando quem anda mais rápido em 16 voltas), scratch (O pelotão larga junto e quem chegar primeiro vence) e finalmente o Contra-Relógio ( prova de velocidade onde o atleta que fizer o melhor tempo, ganha)

MASCULINO

HISTÓRICO

A modalidade estreou nos jogos apenas na última edição em Londres 2012, tendo como campeões a britânica Laura Trott, no feminino, e o dinamarquês Lasse Norman Hansen, no masculino. Fazem parte do Omnium as provas de Flaying Lap, Corrida de Pontos, Eliminação, Perseguição individual, Scratch e o Contrarrelógio.:

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

Vem da América Latina o principal candidato ao ouro na prova mais nova do ciclismo em olimpíadas. O colombiano Fernando Gaviria (foto) é bicampeão mundial e tentará levar o ouro para o país que é uma das potências emergentes do ciclismo. Também aparecem com boas chances de levar o ouro o australiano Glen O’Shea, o italiano Elia Viviani e o francês Thomas Boudat. Correndo por fora no “decatlo” do ciclismo estão Lasse Norman Hansen da Dinamarca, Roger Klug da Alemanha e o britânico Mark Cavendish.

fernando gaviria

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS PARTICIPANTES NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO:

Fernando Gaviria: Atual bicampeão mundial. Venceu também o Pan Americano de Toronto

Glen O’Shea: Foi medalhista de bronze no mundial de 2016, prata em 2015 e bronze em 2013

Thomas Boudat: Campeão mundial de 2014

Elia Viviani: O italiano foi medalha de bronze no mundial de 2015. Esse ano o bronze escapou por pouco e ele acabou ficando em quarto lugar

Lasse Norman Hansen: Atual campeão olímpico, Lasse chegará ao Rio como líder do ranking mundial Também levou uma medalha de bronze em mundiais do ciclo.

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

Ausente das pistas olímpicas desde Barcelona 1992, o cearense Gideoni Monteiro levará a bandeira brasileira novamente para dentro de um velódromo olímpico. Ele foi o único ciclista de pista a conseguir a vaga na Rio 2016. O atleta foi medalhista de prata nos jogos Pan Americanos de Toronto em 2015. Nos dois dias de disputada, Gideoni costuma ter um primeiro dia muito bom, mas acaba caindo de desempenho no segundo dia, quando são disputadas as provas de velocidade.Uma boa meta para Gideone Monteiro é tentar terminar a competição entre os 10 primeiros. As chances de medalha são baixas

PALPITE DO GUIA

ouro: Fernando Gaviria

prata: Lasse Norma Hansem

bronze: Glen O’Shea

FEMININO

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

A grande favorita ao ouro é a britânica Laura Trott (foto), atual campeã olímpica e mundial. Essas duas medalhas foram conquistadas com o apoio de sua torcida, em Londres. Mas longe dela Laura também tem bons resultados, tendo levado três medalhas de prata nos outros mundiais do ciclo. A principal rival de Laura é uma antiga conhecida, que trava grandes batalhas com ela. Trata-se da americana Sarah Hammer, medalhista de prata nas últimas Olimpíadas e bicampeã mundial entre 2013 e 2014. Com boas possibilidades de subirem ao pódio estão Anette Edmondson, da Austrália, Kristem Wild da Holanda, e Laurie Berthon da França.

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS PARTICIPANTES NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO

Laura Trott: Atual campeã olímpica e mundial. Ainda levou a prata nos mundiais de 2013, 2014 e 2015

Sarah Hammer: Vice-campeã olímpica. Foi campeã mundial em 2013 e 2014 e esse ano conquistou o bronze

Anette Edmondson: Medalhista de bronze nos Jogos de Londres, Anette foi campeã mundial de 2015, além de ter conquistado os bronzes de 2013 e 2014.

Laurie Berthon: Medalhista de prata no mundial desse ano

Kirsten Wild: Bronze no mundial de 2015 e campeã na Copa do Mundo de 2015/2016

laura trott

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA:

ouro: Laura Trott

prata: Sarah Hammer

bronze: Laurie Berthon

PERSEGUIÇÃO POR EQUIPES

A perseguição por equipes está presente desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos em 1896, e só ficou de fora da edição de 1912. A prova tem domínio da Itália, com sete ouros conquistados. Em seguida, aparecem a Alemanha com cinco ouros e a Grã-Bretanha, com três medalhas. A versão feminina da prova foi incluída no cronograma olímpico apenas em 2012, quando a equipe britânica acabou se sagrando campeã deixando as americanas com a prata.

COMO FUNCIONA A DISPUTA?

  • A prova consiste em uma disputa entre duas equipes, com quatro corredores cada. As equipes largam de pontos opostos da pista. Vence equipe que alcançar a adversária primeiro ou que obtiver o menor tempo.

MASCULINO

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

A equipe australiana chegará ao Rio como favorita absoluta ao ouro. Nos quatro mundiais disputados no ciclo, apenas no ano passado a equipe não levou o ouro. O país mais próximo de ameaçar o ouro australiano é a Grã-Bretanha. Os atuais campeões olímpicos conquistaram no ciclo três medalhas de prata em mundiais. Responsável por desbancar os australianos do topo do pódio do mundial de 2015 quando conquistaram o ouro, a equipe da Nova Zelândia tenta se recuperar nas Olimpíadas após ter sido apenas a sétima colocada esse ano. Correm por fora na briga pelo ouro a Dinamarca e a Alemanha.

australia perseguicao

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS PARTICIPANTES NOS ÚLTIMOS QUATRO ANOS:

Grã-Bretanha: Os atuais bicampeões olímpicos conquistaram três medalhas de prata em mundiais nos últimos quatro anos, 2013, 2015 e 2016

Austrália: A equipe foi medalhista de prata em Londres 2012. Foi campeã mundial em 2013, 2014 e 2016 e bronze no mundial de 2015

Nova Zelândia: Campeã mundial de 2015

Dinamarca: Medalha de prata em 2014 e de bronze nos mundiais de 2013 e 2016.

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS AS SUAS CHANCES?

O país não tem representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA

ouro: Austrália

prata: Grã-Bretanha

bronze: Dinamarca

FEMININO

QUEM CHEGA FORTE AO RIO?

 A equipe do Canadá (foto) esteve presente em todos os pódios mundiais do ciclo. Seu histórico geral é ainda mais antigo, há sete anos as canadenses não sabem o que é sair de um mundial de mãos abanando. Pode ser considerada uma das equipes favoritas pela boa regularidade mostrada. Mas a tarefa canadense deverá ser dificultada pela forte equipe dos Estados Unidos, que acabaram levando a medalha de ouro no mundial desse ano. Quem também aparece com boas chances de estar no pódio é a equipe da Grã-Bretanha, campeã olímpica e que também conseguiu dois ouros nos mundiais de 2013 e 2014. A Austrália, dona de três medalhas mundiais e as americanas, uma das maiores surpresas do último mundial quando levaram o ouro, também estão na briga.

PRINCIPAIS RESULTADOS DOS PARTICIPANTES NOS ÚLTIMOS QUATRO ANOS:

Canadá: Conquistaram a medalha de prata nos mundiais de 2014 e 2016 e a de bronze em 2013 e 2015

Grã-Bretanha: Bicampeãs mundiais em 2013 e 2014, levaram a prata no mundial de 2015 e o bronze no mundial de 2016. São as detentoras do título olímpico

Estados Unidos: Medalha de ouro no mundial de Londres em 2016

Austrália: Campeã mundial de 2015, prata em 2013 e bronze em 2014

Quem representa o Brasil?

O país não terá representantes nessa prova

PALPITE DO GUIA

ouro: Canadá

prata: Grã-Bretanha

bronze: Austrália