Torcedores – Notícias Esportivas

Vítima de racismo sobre Nory: ‘que seja medalhista também fora do tablado’

Um ano antes dos Jogos Rio 2016, Arthur Nory virou notícia. Não por sua qualidade ginástica, mas sim por uma polêmica de racismo. O alvo era seu companheiro de equipe Ângelo Assunção. Após ver o companheiro conquistar uma medalha olímpica, Ângelo mandou um recado: “espero que ele seja um medalhista também fora do tablado”.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Reprodução

LEIA MAIS:
OLIMPÍADAS: DEFINIDOS OS CONFRONTOS DO HANDEBOL FEMININO; BRASIL ENFRENTA HOLANDA
“PROVAMOS QUE NOSSAS VITÓRIAS NÃO SÃO CASOS ISOLADOS”, DIZ TÉCNICO DO HANDEBOL MASCULINO DO BRASIL

Em entrevista ao UOL Esporte, Ângelo Assunção comentou o ocorrido, disse não guardar rancor e revelou torcida e admiração por Nory.

“Não tenho mágoas, de verdade. Inclusive somos muito próximos. Torci muito por ele. Tenho muito orgulho do Nory. Agora eu espero que ele seja um medalhista também fora do tablado. Admiro muito quem conquista um pódio na Olimpíada, mas gosto mais ainda de quem consegue brilhar também fora das competições. Somos atletas e temos que aproveitar o espaço que temos para dar recados e exemplos”, disse Assunção.

Ângelo ainda ainda deu ‘conselhos’ para o agora medalhista olímpico, para que tenha mais atenção com as palavras.

“Ele é um menino muito bom, brincalhão, alegre. Tem que ter o pé no chão depois disso. Tudo agora vai mudar para ele. Que ele tome ainda mais cuidado, tenha limite. Não pode se expor muito”, comentou.

Em 2015, um vídeo publicado por Arthur Nory mostrou o ginasta olímpico fazendo piadas de cunho racista direcionadas a Ângelo Assunção. Na ocasião, a Confederação Brasileira de Ginástica informou que “deixa claro que repudia qualquer forma de racismo”, mas manteve Nory na equipe. O atleta fez um pedido de desculpa via Instagram.

“Mas não tenho mágoa do que passou. Já ficou lá atrás. Hoje só tenho orgulho do que ele fez. Admiro muito. Somos próximos. Me espelho nele e no Diego. Eu também queria muito estar lá, mas não deu”, explicou.

Ângelo ainda avaliou o desempenho do medalhista de bronze no solo. “Creio que ele não esperava, mas mereceu a medalha pelo que fez. Não é um ginasta com nada muito absurdo, mas muito regular. Isso impressiona mesmo. Poucos são assim. Conseguiu a medalha por isso”, comentou.

Ainda sobrou tempo para parabenizar Diego Hypolito, prata na mesma prova que Nory. “Ele merece muito. Diego vem tentando se superar e conseguiu. Não existe idade nesse caso, mas persistência e trabalho. Ele é mais vitorioso ainda por superar tudo que passou e em casa. A ginástica brasileira está muito feliz”.