Gestão Roberto de Andrade: desastre ou competência?

Presidente do Sport Club Corinthians Paulista desde fevereiro de 2015, o sucessor de Mario Gobbi – Roberto de Andrade – tem sido alvo de críticas de boa parte da torcida corintiana. (Na verdade, não foi encontrado torcedor satisfeito com a gestão do atual dono da cadeira presidencial). LEIA MAIS:Neto critica “choradeira” do Fluminense e relembra caso do “tapetão” Os torcedores alegam que Roberto é omisso ao cargo, mal presidente e até “ladrão”. Mas será que seu mandato foi tão ruim até aqui? O Corinthians está afogado em dívidas. Os motivos transitam entre dívida do passe de jogadores e da Arena Corinthians. Os gastos com o estádio eram projetados entre R$ 820 milhões, no entanto chegaram ao valor de R$ 1,2 bilhão, sendo parte dele (R$ 400 milhões) emprestado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), e R$ 420 milhões de incentivos fiscais. Quantia que não cabe no bolso da administração do clube alvinegro, e que, portanto, levou Roberto de Andrade a tomar sérias medidas quando o cargo lhe foi empossado, como vender todos os jogadores que receberam propostas (Gil, Ralf, Elias, Bruno Henrique, Jadson, Renato Augusto, Malcom, entre outros) e não fazer esforços para renovar com nenhum jogador (caso Paolo Guerrero), alegando que “nenhum jogador é maior que o Corinthians”. O fato de a renda do clube, por jogo, ser em média de R$ 2 milhões, mais as transferências milionárias dos desmanches de 2016, fizeram com que o torcedor pensasse que há corrupção dentro do clube, que o produto interno bruto da instituição é destinado ao bolso dos dirigentes. “No Corinthians não há hierarquia, não há corrupção, todos mandam da mesma forma, só que em seus departamentos. Vão pagar a dívida do estádio e o Corinthians será um dos maiores clubes do mundo, assim como o Barcelona é na Espanha, o Manchester é na Inglaterra”, disse o pai de Edu Gaspar, no ano de 2015. Ou seja, se encaixaria perfeitamente a lógica desses desmanches. O clube viu como uma oportunidade para avançar a quitação das dívidas. O mandato de Roberto de Andrade cessa em dezembro de 2017, sem possibilidade de reeleição. Mas só num futuro distante, saberemos se gestão foi um desastre ou um ato enorme de competência.

Jean Sfakianakis
Jean Sfakianakis é jornalista formado pela Fiam e cursa Jornalismo Esportivo e Multimídia na Universidade Anhembi Morumbi. Foi colaborador sênior do blog Torcedores.com durante a jornada acadêmica, estagiou na Agência Lúcia Furlan e no Jornal Metrô News, atuando na versão web do veículo. Lá, cobriu o jonalismo hard news voltado ao sistema de leituras do Google e de assuntos que rendiam audiência, cobriu a Copa da Rússia e as eleições preidenciais de 2018. Em maio de 2019, começou a trabalhar na Agência Talentmix, empresa responsável pela imagem de grandes talentos do entretenimento, tais como Gretchen, Ronnie Von e Daniel Boaventura. Hoje atua como redator da U5 Marketing.

Crédito: divulgação/Daniel Augusto