Damon Hill: “saí da F1 pra não morrer jovem”

A declaração do campeão da temporada 1996 da Fórmula 1 foi feita em um trecho de sua autobiografia, intitulada “Watching the wheels” ou (traduzindo literalmente, assistindo as rodas) lançada nesta semana. Nela o lendário piloto relata que a morte do então companheiro de equipe Ayrton Senna em 1994, o fez reviver o trauma da morte do pai, o também ex-campeão Graham Hill num acidente de helicóptero.

Redação Torcedores
Textos publicados pela Redação do Torcedores.com.Contato: redacao@torcedores.com

Crédito: Ex-campeão sofre de ansiedade até hoje - Crédito da imagem: Reprodução/YouTube

“Com toda aquelas experiência de choque, estas coisas regressam. A dor e pesar que eu vivi quando o meu pai morreu” afirma Damon Hill sobre o impacto da morte de Ayrton Senna.

Damon Hill entrou na Fórmula 1 carregando o peso de ser filho de um ex-campeão e em suas 7 temporadas completas alcançou um título (1996), dois vice-campeonatos (1994 e 1995) todos na Era Schumacher, além de um terceiro lugar (1993) quando Prost e Senna dominavam o cenário mundial do esporte. Até hoje nenhum piloto, filho de ex-campeão conseguiu repetir o feito dos Hill – a marca poderá ser igualada este ano, por Nico Rosberg, filho de Keke Rosberg que está disputando ponto a ponto o título da atual temporada com Lewis Hamilton.

LEIA MAIS

PARA ECCLESTONE, PROST FOI MELHOR QUE SENNA E SCHUMACHER

CONHEÇA A STEFAN GP, EQUIPE SÉRVIA QUE NÃO VINGOU NA F1

Aposentado do esporte desde 1999 Hill disputou um total de 122 corridas onde obteve  22 vitórias e 20 pole-positions. Vale ressaltar que o britânico disputou apenas sete temporadas completas, um período de permanência baixo quando comparado com outros pilotos do mesmo nível que do ex-campeão. Hill também fala sobre isso na autobiografia.

“Queria sair. Sentia o que tinha acontecido ao meu pai e sabia que um acidente estava à minha espera em alguma curva. Pensava de fato que ia morrer”, revela no livro ao descrever o Grande Prémio de Suzuka de 1999, o último em que participou.

Após retirar-se da categoria Damon Hill passou a se dedicar a esposa Georgie e os quatro filhos do casal, mas isso não suspendeu os medos dos tempos de Fórmula 1.

“Não lia os jornais, e não via corridas durante cinco ou seis anos. Na maior parte dos anos 90 desliguei-me de tudo. Em 2003 procurei ajuda. A terapia ajuda-nos a expressarmo-nos, a dizer o que sentimos. Ainda tenho momentos de ansiedade, mas nada como antes” finaliza.

O livro Watching the Wheels, de Damon Hill ainda não tem previsão de chegar ao Brasil, mas pode ser adquirido em livrarias virtuais internacionais como a Amazon.