Conheça o futebol de Cuba e sua relação com a política do país

João Pedro Neves Luz
Colaborador do Torcedores

Crédito: Seleção cubana (de vermelho) enfrentando a seleção norte-americana (de branco) / Créditos: US Socccer

Você já teve interesse em saber um pouco sobre o futebol em Cuba? Sendo a resposta afirmativa ou negativa, sinta-se convidado a conhecer um pouco do futebol nessa ilha do Caribe e sua relação com a política do país.

LEIA MAIS: NA ÁFRICA, JOGADOR CABECEIA BOLA NA PERNA DO ADVERSÁRIO E O JUIZ DÁ… PÊNALTI! ASSISTA

Apesar do futebol não ser o esporte majoritariamente popular na ilha, perdendo para o beisebol, a seleção cubana foi a a primeira da América Central a participar de uma edição de Copa do Mundo. Isso aconteceu em 1938, quando Cuba eliminou a seleção da Romênia na primeira fase e parou nas quartas-de-final diante da forte seleção sueca na época, sofrendo uma goleada de 8 a 0.
Apesar disso, a seleção não conseguiu manter a tradição e demorou a conquistar seu primeiro título oficial. Ele veio apenas em 2012, quando os cubanos venceram a Copa do Caribe, enfrentando a seleção de Trinidad e Tobago na final, ganhando por 1 a 0.

O jogador da seleção com mais partidas é o zagueiro Yénier Márquez, com 127 partidas e 15 gols marcados. Ele possui 37 anos e joga no FC Villa Clara, clube que defende desde o início de sua carreira.
O maior artilheiro, com 29 gols marcados, é o Lester Moré, ex-atacante que, curiosamente, já jogou em dois times dos Estados Unidos, sendo um deles participante da USL, uma espécie de terceira divisão estadunidense.

O Campeonato Nacional de Futebol de Cuba é composto por times semi-profissionais e não é atrativo para jogadores estrangeiros. Os únicos imigrantes que atualmente jogam em algum time da ilha são o defensor italiano Pietro Resta, do FC La Habana, e o atacante guineense Yango Keita, do FC Villa Clara.
O maior e atual campeão do Campeonato Cubano é o próprio FC Villa Clara, com 14 títulos, localizado na cidade de Santa Clara.

A abertura da relação diplomática entre Estados Unidos e Cuba teve um marco simbólico no futebol. No dia 02 de junho de 2015, o New York Cosmos, clube dos EUA e pelo qual Pelé já jogou, foi disputar um amistoso contra a seleção cubana em Havana, capital de Cuba. O time foi muito bem recebido, inclusive venceu a partida por 4 a 1, com a presença de Pelé no Estádio Nacional Pedro Marrero.
A partida mais recente da seleção foi no dia 07 de outubro, em um amistoso contra os Estados Unidos, novamente em território cubano, em que a seleção mandante perdeu para os estadunidenses por 2 a 0.

No início desse ano, Cuba exportou seus dois primeiros jogadores na história para jogarem em times de fora do país e se profissionalizarem: o atacante Maykel Reyes e o zagueiro Abel Martínez, ambos de 23 anos de idade e que foram para o time B do Cruz Azul, do México. Antes desses dois jogadores, o volante cubano Osvaldo Alonso se desertou de Cuba e foi jogar no Seattle Sounders, time da MLS, principal liga de futebol estadunidense. O volante declarou que gostaria de defender a seleção norte-americana, mas como já havia jogado uma partida oficial pela seleção cubana em 2007, ele foi impossibilitado de realizar o objetivo.

Referências: https://xadrezverbal.com/2016/05/11/fronteiras-invisiveis-do-futebol-12-cuba/