Em amistoso de Neymar e Robinho, quem roubou a cena foi anão e Wesley Safadão

Foto: Reprodução/Twitter

Na noite da última quinta-feira, o tradicional Pacaembu foi palco do jogo beneficente Ousadia, time de Neymar, contra Pedalada, time de Robinho. O Torcedores.com esteve presente no Paulo Machado de Carvalho acompanhando o jogo que teve 22 gols e que terminou com vitória da formação do craque do Barcelona, por 13 a 9.

Foi um uma noite inesquecível para os mais de 30 mil pagantes, de todas as faixas etárias e classes sociais. Enganou-se quem pensava que apenas profissionais do futebol estivessem em campo. Personalidades de outros esportes, como o surfista Gabriel Medina, o jogador de vôlei Bruninho e o piloto de Fórmula 1 Felipe Massa suaram a camisa, sem mostrar muito talento com a bola nos pés.

VEJA MAIS:
Wesley Safadão dá caneta espetacular em lateral do Schalke 04 
Repetiu 2015! Wesley Safadão faz golaço de cobertura em amistoso beneficente 
“Meu filho é fã desse bunda mole”, diz Robinho sobre Neymar 

Neymar marcou quatro dos 13 gols da vitória do seu time, mas quem roubou a cena foi o cantor Wesley Safadão, grande sensação da música brasileira nos últimos anos. Foi um dos nomes mais gritados pelo público. E com a bola rolando, mostrou técnica ao dar caneta espetacular no lateral Junior Caiçara, do Shalke 04, da Alemanha. A galera pirou com o lance plástico e o ovacionou após ser substituído. Momentos antes, ele havia marcado um golaço por cobertura.

Na etapa final, o anão Pedrinho, do programa “Pânico”, da Band, recebeu passe do funkeiro Nego do Borel e estufou a rede para o time Ousadia. Foi o gol mais comemorado pelos torcedores. Ele foi erguido pelos companheiros de equipe. Todos jogadores saíram do banco de reservas e fizeram questão de dar um abraço.

Antes do pontapé inicial, no intervalo e após o jogo, o locutor do evento puxou um coro “Vamo, vamo, vamo, Chape”, em homenagem à Chapecoense, vítima da maior tragédia do esporte mundial. E os torcedores cantaram a plenos pulmões. Uma linda homenagem que emocionou muita gente, inclusive este jornalista que vos escreve.

O mais bacana do amistoso é que parte do dinheiro arrecadado com a bilheteria foi doado para o Instituto Neymar e outras entidades assistenciais.

Curiosidade: no estacionamento do Pacaembu, cerca de 20 minutos após o final do amistoso, centenas de crianças e jovens invadiram o local em busca de uma foto e um autógrafo com os ídolos. E muitos atingiram o objetivo. Certamente foram dormir felizes da vida.



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)