Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Alecsandro explica escolha pela camisa 9 do Palmeiras em 2017

O experiente Alecsandro assumiu a camisa 9 do Palmeiras para a temporada de 2017. O número estava vago desde a saída do argentino Cristaldo, na metade do ano. E em entrevista ao Lance!, o atacante falou sobre a responsabilidade de usar essa numeração e explicou o motivo da escolha.

Danielle Barbosa
Jornalista. Escrevendo para o Torcedores desde 2014.

Crédito: Crédito da foto: Divulgação/ Cesar Greco/ Ag. Palmeiras

LEIA MAIS:
Palmeiras pode ter a camisa mais valiosa do Brasil de novo

Rei dos Chapéus, Palmeiras já tirou até patrocínio da Crefisa de rival; relembre

“Eu nunca tive essa vaidade por camisa, nunca tive esse problema. Respeito quem tem, já vi jogador ter dificuldade de fechar um contrato por não poder usar a camisa que gostaria. Eu não tenho esse problema, mas é lógico que a camisa 9 sempre representou um bom atacante, que faz gols. Então geralmente quando a gente veste uma camisa como essa, principalmente no Palmeiras, que já teve grandes atacantes, como o Evair, a gente fica muito feliz. Espero que eu possa honrar a camisa 9 do Palmeiras como eu honrei a 29”, disse o atacante.

Após marcar 12 gols na temporada passada, o jogado espera superar essa marca em 2017 com a ajuda da Libertadores. “Acho que eu passaria a meta no ano passado. Eu acabei o ano com 12 gols, sendo o segundo jogador com mais gols no clube, ficando atrás só do Gabriel Jesus. Tenho certeza que esses meses parado por causa do doping me atrapalharam, acho que passaria da minha meta. Agora vou tentar aumentar um pouquinho a minha média, dar uma aumentada na meta, até porque esse ano tem a Libertadores. É uma competição importante, em que fazer gol é melhor ainda.”

O jogador também falou o que a torcida pode esperar dele para a temporada e deu a receita para o sucesso.

“Estou iniciando o ano tranquilo, porque estou treinando bem. Nos trabalhos físicos, estou puxando o pelotão da frente. Fui muito bem nos testes, um dos melhores dentro da minha característica. Eu começo muito tranquilo porque não tenho que driblar, dar chapéu, caneta ou marcar. Lógico que tenho de ajudar em alguns momentos, mas tenho que fazer o que fiz toda a minha carreira, que é gol. Se eu estiver física, psicológica e tecnicamente bem, as coisas vão andar para mim. Estou muito feliz no começo de 2017. Estar com quase 40 jogadores se preparando e perceber que, na parte física, você está um pouquinho na frente dos outros, me deixa muito feliz também”, completou.

Confira a entrevista completa.