DESTAQUE

Da várzea em Salvador à titularidade no Palmeiras: Conheça a trajetória de Keno

Publicado às

Amante da NBA e do futebol, informo e opino da maneira mais descontraída possível. Curso Educação Física na FESB, e sonho trabalhar no Santos FC.

Palmeiras

Crédito: Foto: Twitter Oficial da SE Palmeiras

Contratado o final de 2016 e se firmando entre os titulares, Keno batalhou muito para chegar ao Palmeiras. Com uma criação humilde e sem recursos, o atacante sempre acreditou em seu talento, e superou todas as dificuldades para brilhar nos gramados do país.

Nascido em Salvador, capital baiana, o jovem Marcos (o apelido foi dado por seu irmão, que o chamava de ‘pequeno’, devido à sua baixa estatura) nunca teve uma vida fácil. Vindo de uma família simples, só estudava e jogava futebol onde desse. Atuando somente em escolinhas e várzeas, Keno nunca treinou na base de nenhum clube profissional. Foi na raça e no talento que seu sonho se tornou realidade.

Aos finais de semana, onde ocorrem as partidas no popular ‘terrão’, Keno chegava a atuar por seis vezes, e em várias equipes. Sendo três jogos aos Sábados e três aos Domingos, cada um lhe rendia de R$50,00 à R$80,00. Toda essa maratona era para, além de alimentar seu objetivo de se profissionalizar, não incomodar seus pais pedindo dinheiro.

Leia mais: 

FALTA DE FAIR PLAY? KENO INDUZ ÁRBITRO A EXPULSAR GABRIEL E NÃO VOLTA ATRÁS

DUVIDO VOCÊ ENTENDER O QUE O KENO FALOU NESSA ENTREVISTA NO INTERVALO DO DÉRBI; ASSISTA

E em 2011, o momento de Keno chegou. Já aos 22 anos, o baiano foi indicado por um amigo para fazer teste no América de Propriá-SE. A aventura não deu muito certo, mas foi o primeiro passo para começar a carreira. De lá, rumou para o Botafogo-BA, conquistando o título do Baianão da Segundo Divisão, conseguindo o acesso à Primeira. E essa foi sua ponte para o Águia de Marabá-PA, em 2013clube pelo qual disputou o Brasileirão da Série C, fazendo gols e boas partida.

Do Águia, Keno foi para o Paraná Clube, disputando o Brasileirão da Série B. Assim, o baiano foi parar no Santa Cruz pela primeira vez. Jogou bem e foi emprestado ao Atlas-MÉX, em 2015, mas não se adaptou à cultura. Voltou para o Brasil e foi emprestado à Ponte Preta, sendo devolvido rápidamente para o Santa. Que vacilo da Macaca, hein?!

O atacante voltou diferente, mais maduro e habilidoso. Fazendo dupla de ataque com o veterano Grafite, Keno brilhou no Brasileirão do ano passado. Com 10 gols e 7 assistências em 34 jogos, o garoto ‘sem base’ dispertou o interesse de Santos, Flamengo e, é claro, Palmeiras. No final, o alviverde foi sua escolha, e parece que os dois não estão arrependidos do negócio.