Patrocínio da Crefisa rende ao Palmeiras 24 vezes mais que o da Parmalat

Foto: Divulgação

Palmeiras e Crefisa anunciaram a renovação do contrato de patrocínio por mais dois ano, e em 2017, o Verdão passará a receber R$ 72 milhões, contando apenas o valor referente a exposição exclusiva das marcas das empresas de Leila Pereira e José Roberto Lamacchia. O sucesso da parceria já é igual, ou até superior, ao da Parmalat, parceira do clube na década de 90 – período de ouro da história do alviverde.

————————- ★ ————————-

LEIA TAMBÉM
Rei dos Chapéus, Palmeiras já tirou até patrocínio da Crefisa de rival; relembre

————————- ★ ————————-

Maior patrocínio máster do Brasil e o décimo maior do mundo – ficando na frente de gigantes europeus como Juventus e Atlético de Madrid -, o montante que a Crefisa coloca no Palmeiras é 24 vezes maior que o que a Parmalat investia no clube no início da parceria, em 1992.

Mas você sabe quanto o Palmeiras recebia da Parmalat?

Tudo começou no dia 18 de fevereiro de 1992, quando o jornal Folha de S.Paulo pouco destacou sobre o possível novo patrocinador do Palmeiras.

parmalat1

Leia o texto na íntegraO Palmeiras deve fechar hoje um acordo de US$ 500 mil por ano com a multinacional italiana Parmalat. A empresa pagará a rescisão de contrato de patrocínio com a Coca-Cola, que é de US$ 700 mil. A Coca-Cola dá US$ 200 mil por ano clube. A Parmalat vai investir cerca de US$ 40 mil por mês. A curto prazo, o uniforme do Palmeiras será mudado e o nome da Parmalat será escrito na camisa. Nenhum novo jogador deverá vestir a camisa do Palmeiras nos próximos meses.

O acordo com a Parmalat, porém, só foi sacramentado em maio, quando a empresa organizou um amistoso contra o Parma, da Itália, para “comemorar”.

Em outra reportagem, agora confirmando o acordo entre Palmeiras e empresa e o amistoso contra o clube italiano, a Folha de S.Paulo destaca que o investimento da Parmalat seria de US$ 500 mil por ano.

parmalat3

Se fosse nos dias atuais com os valores monetários corrigidos, a Parmalat estaria investindo “apenas” 3 milhões de reais de patrocínio por ano no Palmeiras, valor bem abaixo do que a Crefisa investe atualmente.

*Entenda o cálculo que usamos para chegar aos R$ 3 milhões: O dólar em 18 de fevereiro de 1992 estava cotado em Cr$ 1.499,60. 500 mil dólares nesse período representava 749,8 milhões de cruzeiros (moeda da época), e 749,8 milhões de cruzeiros, hoje, seriam R$ 3.056.155,91.

ALÉM DO PATROCÍNIO:

Crefisa
Foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras

A “era Parmalat” fez sucesso não apenas pelo patrocínio, mas também por todo investimento que a empresa fez no Palmeiras nos anos 90, ajudando o clube a contratar jogadores que foram importantes na história do clube e que se tornaram ídolos depois, como  Edmundo, Zinho e Roberto Carlos. Nos primeiros anos de contrato, foram cerca de R$ 52 milhões (valores corrigidos) investidos em contratações.

A Crefisa, por sua vez, já investiu aproximadamente R$ 220 milhões em reforços para o Verdão desde quando começou a patrocinar o clube, em 2015. Além das contratações, a financeira também banca o salário integral de Lucas Barrios – cerca de R$ 1 milhão por mês – e parte dos vencimentos do recém-contratado Miguel Borja.

CONSELHO DELIBERATIVO:

No último sábado (11), Leila Pereira e José Roberto Lamacchia, donos da Crefisa, foram eleitos para o Conselho Deliberativo do Palmeiras.

Leila Pereira foi eleita com 248 votos – a quantidade de votos recebida por Leila é um recorde na história do Palmeiras, já que anteriormente a marca era de 99 votos, de Neive Conceição.

“Quero ser conselheira para ajudar o Maurício em vários projetos que poderíamos fazer juntos, não só no futebol, mas no social também. Essas Leis de Incentivo ao Esporte, posso aplicar dentro do Palmeiras, no clube social. A Crefisa, a Faculdade das Américas e eu sempre estamos dispostas a ajudar no clube social, no esporte amador”, disse Leila durante a festa para divulgar sua candidatura.

Listamos cinco curiosidade sobre a parceria entre Verdão e Parmalat que você precisa saber; confira