DESTAQUE

Relembre alguns dos jogos mais marcantes entre Santos e São Paulo

Publicado às

Foi editor do semanário BolanoBarbante, apaixonado por esportes, entusiasta das corridas de rua e dos jogos de tênis.

Santos x São Paulo

Crédito: Crédito da foto: Reprodução

O Campeonato Paulista está apenas em sua terceira rodada, contudo, já teremos o tradicional clássico San-São, que será disputado na Vila Belmiro. Para o duelo, além da rivalidade, temos várias outras atrações, como o fato do Santos estar bem neste início de estadual, enquanto o São Paulo ainda está em êxtase pela contratação do cobiçado Lucas Pratto. Neste embalo, relembre alguns jogos decisivos e inesquecíveis entre os rivais históricos.

Como toda a história precisa ter um ponto de partida, o primeiro Santos X São Paulo aconteceu em 11 de maio de 1930, na Vila Belmiro, local do jogo desta quarta-feira. Na ocasião, as equipes ficaram empatadas por 2 a 2. Já no último encontro dos clubes, em outubro da temporada passada, no Pacaembu, o Peixe levou a melhor, vencendo por 1 a 0, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro.

LEIA MAIS:
DOS 12 GRANDES, APENAS CINCO APARECEM ENTRE OS QUE MAIS FIDELIZARAM SÓCIOS EM 2016
SAIBA O VALOR DAS COTAS QUE A TV VAI PAGAR PARA SEU TIME NOS ESTADUAIS

Se tratando de dois grandes clubes do Brasil, é mais do que normal que em várias oportunidades, os mesmos tenham decidido títulos, como foi em no Paulistão de 1953. Na ocasião, o Tricolor conquistou o Estadual com duas rodadas de antecedência, ao vencer o Peixe por 3 a 1, em plena Vila Belmiro. Vale lembrar, que desta forma, apenas o São Paulo poderia levantar o caneco nesta partida.

Já em 56, novamente as equipes disputavam o caneco. Empatados em número de pontos, Santos e São Paulo fizeram um jogo extra. Na época, com suspeita de suborno, o Tricolor colocou Wilson e Feijó no Lugar de Hélvio e Ivã. No final, 4 a 2 para o Santos, que conquistava, então, seu primeiro bicampeonato.

Novamente em disputa com o São Paulo, o Santos levou a melhor em 1962, vencendo o rival por 5 a 2, conquistando a taça com três rodadas de antecedência. À época, o Santos contava com Coutinho, Durval, Pepe e Pelé.

Em 67, após Santos e São Paulo novamente empatarem por pontos, houve um jogo extra. Desta vez, o Tricolor buscava acabar com jejum de 10 anos sem título. Porém, com nova vitória santista, por 2 a 1, o São Paulo acabou ficando mais um ano na fila.

Já no final da década de 60, O Santos levantou o tricampeonato Paulista, com um empate em 0 a 0 diante do São Paulo pela última rodada do quadrangular final. Na primeira final da história do Morumbi, o Santos precisava do empate, enquanto ao São Paulo só a vitória interessava. O empate não só deu o título ao Peixe, como tirou o vice do Tricolor.

Em 1978, o Paulista foi definido em melhor de quatro pontos entre São Paulo e Santos. No primeiro clássico deu alvinegro: 2 a 1. No segundo, nova vitória santista daria o título. O time de Pita e Juary vencia até os 43 minutos da etapa final, quando o são-paulino Zé Sérgio empatou. Na terceira partida, o time da capital venceu no tempo normal por 2 a 0, mas o regulamento ditava que haveria uma prorrogação, com vantagem de empate para o time com melhor campanha, no caso o Santos, que segurou o 0 a 0 por trinta minutos e consagrou a geração dos “Meninos da Vila”.

Quase vinte anos depois, já nos anos 2000, Tricolor e alvinegro fizeram a final do Paulistão de 2000. Em dois jogos no Morumbi, o time da capital tinha a vantagem de dois resultados iguais para ser o campeão. No primeiro jogo, França fez 1 a 0 para o São Paulo no começo do jogo e deu números finais à partida. No clássico decisivo, o Peixe precisava vencer por dois gols de diferença. Fez 1 a 0, mas Rogério Ceni empatou em cobrança de falta. No segundo tempo, Rincón fez 2 a 1 para o time da Vila, mas Marcelinho Paraíba empatou novamente para o tricolor, o título de 2000. Inclusive, esta derrota impôs ao Santos seu 16.º ano de jejum e deu início à década de maior rivalidade entre os dois clubes.

Em competições internacionais, São Paulo e Santos se enfrentaram nas oitavas de final da tradicional Copa Libertadores da América, em 1992. No primeiro jogo, realizado no Parque Antarctica, igualdade em 1 a 1. No jogo de volta, no Morumbi, goleada do Tricolor comandado pelo inesquecível Telê Santana por 4 a 1.