DESTAQUE

Artilheiro nos anos 90 aponta Ricardo Oliveira à frente de Borja e Pratto

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Ricardo Oliveira artilheiro Santos

Crédito: Reprodução/Facebook

Miguel Borja e Lucas Pratto agitaram o mercado interno nos últimos dias. O primeiro acertou a sua transferência do Atlético Nacional, da Colômbia, para o Palmeiras. Já o titular da Seleção Argentina mudou apenas de capital. Deixou o alvinegro de Belo Horizonte para escrever uma nova história no time que leva o nome da cidade de São Paulo. Logo que ambos foram oficializados, foi inevitável as comparações entre os torcedores do Verdão e do Tricolor.

Referência na posição de centroavante e artilheiro nos anos 90, o ex-atacante Guilherme e hoje treinador do Linense, equipe que disputa o Paulistão, foi o convidado do Troca de Passes, do Sportv, e destacou as qualidades das novas aquisições de Palmeiras e São Paulo. No entanto, em sua visão, Ricardo Oliveira, artilheiro do Santos, é o “mais completo que todos os outros”.

LEIA MAIS:

PRATTO GRAVA MENSAGEM DE DESPEDIDA AOS TORCEDORES DO ATLÉTICO; ASSISTA
BORJA REVELA PAPO COM GUERRA E EXPLICA PORQUE QUER JOGAR NO PALMEIRAS
GABRIEL JESUS É ZOADO POR NEYMAR NA WEB E ZÉ ROBERTO CAI NA GARGALHADA; VEJA

“O Pratto foi uma grande contratação para o São Paulo, mas ainda vejo o Ricardo Oliveira, dentro desses atacantes, como o mais completo. Claro que, pela idade que tem, não tem como comparar com o Borja, que tem 23 anos. A expectativa é outra. Mas, realmente, acho o Ricardo Oliveira mais completa que todos os outros”, disse Guilherme.

Com passagens por grandes clubes do futebol brasileiro, Guilherme marcou época vestindo a camisa do Atlético-MG. Ídolo do Galo, ele foi artilheiro do Brasileirão de 1999, quando sofreu o revés na decisão para o Corinthians. Questionado sobre qual dos atacantes brasileiros do cenário atual se assemelha ao seu estilo de jogo, sem titubear ele aponta Fred.

“É o Fred. Acho que ele tem um estilo mais parecido com o meu, com o do Luizão, que jogou na nossa época, o Jardel. É o jogador da última bola e que, hoje, há uma escassez muito grande no futebol”, finalizou.

Neste sábado, Guilherme não terá moleza pela frente. Encara o Audax de Fernando Diniz, que venceu o São Paulo no domingo passado. O duelo está marcado para a cidade de Lins, às 17h (horário de Brasília).