DESTAQUE

Ídolo rival se inspirou em Marcelinho nas faltas: ‘Melhor de todos os tempos’

Publicado às

Jornalista. Como todo torcedor também gosto de dar meus pitacos. Fã da seleção italiana, do Milan e do Arsenal.

Marcelinho

Foto: 24 Jan 2001: Marcelinho Carioca (left) of Corinthians in action during the Corinthians v Flamengo Rio/Sao Paulo Tournament match played at the Pacaembu Stadium, Sao Paulo. Mandatory Credit: Allsport UK/ALLSPORT

Crédito: Foto: Getty Images

Marcos Assunção começou no Rio Branco, de Americana, mas virou ídolo de Roma, Bétis e no Brasil, do Palmeiras. Mas em seu início de carreira, o volante, apesar de ser santista assumido, não escondeu que via jogos do Corinthians para poder apreciar a maestria de Marcelinho Carioca, nas cobranças de falta.

Convidado do Resenha ESPN, Marcos Assunção relembrou seu início de carreira quando ia ligar a TV para ver jogos do Corinthians.

LEIA MAIS
VÍDEO: MARCELINHO CARIOCA E NETO NA COBRANÇA DE FALTA, QUEM BATE? A ‘DICA’ É QUE FOI GOL

“Na minha época de Rio Branco, eu subia correndo para assistir os jogos do Corinthians. (perguntavam) ‘Você é corintiano?’. Não, vou subir para assistir o Marcelinho Carioca batendo faltas”, revelou Marcos Assunção. “Eu pensava comigo: ‘gente eu sou um volante, para aparecer nos programas de televisão, nos jornais o que eu vou ter de fazer?’. Preciso fazer alguma coisa, ou vou ser expulso ou começo a treinar faltas'”, disse aos risos. “E foi aí vendo o Marcelinho que eu comecei a treinar, porque eu queria aparecer. Volante normalmente não faz gol, é muito difícil, mas eu treinei muito”, completou.

Um dos jogadores mais especialistas nas cobranças de falta, Marcos Assunção ainda afirmou que não existiu ninguém melhor do que Marcelinho Carioca quando o assunto era bola parada.

“Para mim é o melhor de todos (o Marcelinho Carioca). De todos os tempos, de todos que eu vi batendo falta o Marcelinho é o melhor”, afirmou, onde foi questionado se era o melhor do Brasil ou do mundo. “Do mundo, de tudo. E como o futebol é engraçado, eu tinha o cara como ídolo nas cobranças de faltas e depois eu fui dividir quarto com ele na seleção”, finalizou Marcos Assunção.