Futebol

O que deve acontecer com Leila Peireira como conselheira do Palmeiras

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crefisa

Crédito: Foto: Fabio Menotti/Ag Palmeiras/Divulgação

Leila Pereira e José Roberto Lamacchia disputam neste sábado (11) uma vaga no Conselho Deliberativo do Palmeiras. E mesmo diante de toda polêmica política envolvendo a candidatura do casal da Crefisa, a expectativa é de que pelo menos a presidente da patrocinadora seja eleita.

A chapa em que Leila e Lamacchia concorrem é a “Palmeiras Forte”, do ex-presidente Mustafá Contursi, que contém o maior número de conselheiros no clube.

O interesse de Mustafá na possível nomeação do “casal Crefisa” ao Conselho é claro – eles são vistos pelo grupo como os puxadores de votos, ou seja, como a eleição é proporcional, então o elevado número de votos que Leila e Beto receberiam iriam auxiliar na nomeação de outros membros da chapa.

Nesta eleição, serão escolhidos 76 conselheiros e 15 suplentes para um mandato de quatro anos.

RELAÇÃO COM GALIOTTE:

Diferente do que acontecia quando Paulo Nobre era presidente do clube, Leila Pereira terá um relacionamento muito mais tranquilo e bem menos conturbado com Maurício Galiotte, atual mandatário do Verdão. Aliás, era Galiotte que conduzia as conversas com a patrocinadora quando Nobre estava no poder.

“O relacionamento com o Maurício é excelente, sempre foi, desde que ele era primeiro vice. É uma pessoa competente, muito equilibrada, muito sensata, nunca houve problema com ele”, explicou a dona da Crefisa.

INVESTIMENTO NO CLUBE SOCIAL:

Na festa promovida para o lançamento oficial de sua candidatura, Leila Pereira disse em entrevista ao jornalistas que não pretende investir apenas no futebol do Palmeiras, e que se o presidente Maurício Galiotte estiver de acordo, pode ajudar investindo no clube social.

“Quero ser conselheira para ajudar o Maurício em vários projetos que poderíamos fazer juntos, não só no futebol, mas no social também. Essas Leis de Incentivo ao Esporte, posso aplicar dentro do Palmeiras, no clube social. A Crefisa, a Faculdade das Américas e eu sempre estamos dispostas a ajudar no clube social, no esporte amador”, disse Leila.

Palmeiras
Foto: Reprodução/Instagram

CONTRATAÇÕES:

A Crefisa já ajudava o Palmeiras com contratações no mandado de Paulo Nobre – contratou nomes como Lucas Barrios, Vitor Hugo e Thiago Santos -, mas chegou um determinado momento que Nobre quis diminuir a participação da patrocinadora em contratações e deixou de pedir ajuda.

Agora, com Galiotte, a situação deve ser bem diferente. Só em 2017, a Crefisa já bancou as contratações de Alejandro Guerra, Fabiano, 50% dos direitos econômicos do Dudu e do recém contratado Miguel Borja. Ao todo, já foram mais de R$ 50 milhões  investidos apenas neste início de temporada.

“Sobre isso (reforços), você tem de conversar com o Alexandre Mattos. Todos os jogadores que ajudamos a trazer foram indicados pelo Palmeiras. Eu não tenho ingerência nenhuma. A torcida me cobra muito, mas quem seleciona é o departamento de futebol”, explicou Leila, que já disse em outras oportunidades que não medirá esforços para fazer com que o Palmeiras seja campeão Mundial em dezembro.

INVESTIMENTO DE R$ 1 BILHÃO:

De acordo com o portal ESPN.COM.BR, pessoas que estão ligadas à Crefisa garantem que Leila poderia gastar cerca de 1 bilhão de reais no Verdão. O valor não chegaria aos cofres do Verdão de uma vez, mas sim em 10 anos, aumentando a cada novo mandato.

Para este mandato de Maurício Galiotte, a empresa deve investir 200 milhões de reais em duas temporadas. Se o novo presidente for reeleito para os anos de 2019 e 2020, o valor poderia dobrar. Se isso de fato acontecer, seriam 600 milhões de reais entre os anos de 2017 e 2020. E aumentaria nos mandatos seguintes.

PRESIDÊNCIA:

Apesar de desconversar quando o assunto é uma possível candidatura a presidência do Palmeiras no futuro, conquistando uma vaga no Conselho Deliberativo, Leila Pereira poderá concorrer a uma vaga como presidente do clube.

E como não poderia ser diferente, caso seja eleita para assumir uma vaga no Conselho Deliberativo do Palmeiras, Leila pode desencadear uma crise política dentro o clube, já que muitos conselheiros veem algumas irregularidades na candidatura da presidente da Crefisa.