Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Apresentador do SporTV diz que tem parceria com “vizinho” Roger até no vôlei

Tiago Maranhão está vivendo um momento especial na sua carreira. Ele deixou de lado a reportagem para encarar a experiência de ser apresentador do Sportv. Ao lado do ex-jogador Roger, ele comanda o programa Troca de Passes.

Renan Prates
Jornalista de esportes desde 2005, com passagem pelo UOL e Terra. Editor de comunidades do Torcedores.com e blogueiro do renanprates.com

Crédito: Reprodução/Facebook

Em conversa com o Torcedores.com, Maranhão contou como foi a transição para este novo desafio e exaltou a sua parceria com Roger. Os dois são quase vizinhos na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. E como bem diz o nome do programa, trocam conhecimento que contribua para a evolução do outro.

LEIA MAIS:
“ME INCOMODA FALAR QUE EU GRITO EM TODO CARTÃO”, DIZ HENNING SOBRE CRÍTICAS

Maranhão também confessou na entrevista que tem um sonho de chamar um convidado muito especial para o Troca de Passes.

Confira a entrevista exclusiva com Tiago Maranhão:

Torcedores.com: Como está sendo a experiência da apresentação do Troca de Passes? Como surgiu o convite?

Tiago Maranhão: Desde que retornei dos meus dois anos como correspondente do Sportv na Ásia, isso foi em julho de 2015, comecei a flertar com a ideia de passar para a apresentação. O calendário esportivo determina o caminha da carreira dos jornalistas dessa área, então logo que cheguei de volta emendei a cobertura de alguns grandes eventos, como o Pan em Toronto e o Mundial de Atletismo em Pequim e logo já estávamos com as atenções voltadas para os Jogos do Rio. Foi durante a fase final do planejamento para a Olimpíada que as primeiras conversas sobre apresentação aconteceram, por iniciativa do canal, o que achei encorajador. Com as mudanças na grade do Sportv nesse início de 2017 abriu esse espaço para ancorar o Troca de Passes e agarrei a oportunidade.

Torcedores.com: Como tem sido a parceria como o Roger? Ele está assumindo uma função mais jornalística. Você está o ajudando nessa transição?
Tiago Maranhão: O Roger, antes de mais nada, tem sido um excelente anfitrião, me apresentando os caminhos da Barra da Tijuca, onde somos praticamente vizinhos. Primeira coisa que ele fez pra ajudar na minha adaptação ao Rio foi me apresentar para a turma que joga vôlei com ele na praia. Na redação, existe uma troca muito boa. Gosto de falar sobre entrevistas e ideias para o programa com o Roger e ele me encoraja a ser mais opinativo. Acredito que temos um equilíbrio interessante para quem assiste, já que temos quase a mesma idade, mas carregamos experiências distintas na mesma área.

Torcedores.com: Algum convidado que você gostaria de ter levado ao programa e ainda não conseguiu?
Tiago Maranhão: A lista é imensa. A gente se esforça para levar a voz do torcedor ao ar, pelas redes sociais e com a participação ao vivo de torcedores ilustres dos clubes. E ao mesmo tempo ter o papo boleiro. Nesse novo formato, o Troca de Passes começou apenas no final de janeiro, então treinadores e jogadores ainda estão se adaptando tanto quanto os amigos que assistem ao programa. Se eu fosse citar alguns nomes que eu gostaria de ter na bancada com a gente, e já que podemos sonhar alto, eu começaria por Usain Bolt, torcedor do Manchester United, para falar só de futebol. Mais próximos de nós, Tite e Ceni já participaram ao vivo, mas gostaria de uma conversa mais solta com eles na mesa ao nosso lado.

Torcedores.com: Neste pouco mais de um mês do novo Troca de Passes, qual programa até agora mais te marcou? Por que motivo?
Tiago Maranhão: Todo dia sinto um frio na barriga antes de entrar no ar. Dia da final da Taça Guanabara foi interessante porque tivemos um dos destaques do título do Fluminense, o Wellington Silva, com a gente no estúdio logo depois da festa no gramado do Engenhão.

Torcedores.com: Sente muita falta de fazer reportagem?
Tiago Maranhão: Todo jornalista sabe que a gente nunca deixa de ser repórter. É a alma da nossa profissão. E nada é mais prazeroso do que uma descoberta interessante, do que estar no lugar dos acontecimentos na hora dos acontecimentos, ou melhor ainda, de estar onde ninguém esteve antes.

Torcedores.com: Os fãs do Tiago Maranhão podem esperar por alguma novidade além da apresentação no novo Troca de Passes? Ou você vai ficar focado nele em 2017?
Tiago Maranhão: Tenho planos, sempre dentro do Sportv. Não dá pra se acomodar jamais. Dito isso, o Troca está só começando e se depender de mim terá vida longa e próspera. Ah, e claro, não considero que tenha fãs, mas sei que algumas pessoas acompanham minha carreira com atenção. É uma afinidade, são pessoas que se sentem representadas pela forma como eu conduzo o jornalismo e comemoram junto as pequenas conquistas. Respondo a todos que me procuram na rua, no Twitter ou pelo canal que for. Se for aspirante a jornalista, então, considero minha obrigação social.

Torcedores.com: Você ficou muito conhecido por fazer coberturas épicas de esportes olímpicos, especialmente de atletismo. Depois da Olimpíada, ficou mais com futebol. É muito diferente abordar esses dois assuntos?
Tiago Maranhão: O futebol sempre vai ser o esporte mais popular. Já pensei muito sobre o assunto, mas nunca cheguei a uma única conclusão à seguinte pergunta: por que o futebol? Tem outros esportes dinâmicos, outros esportes coletivos, outros esportes de contato, outros esportes apaixonantes e cheios de histórias impossíveis. Mas é o futebol que une o planeta quase inteiro numa mesma paixão. Sempre foi meu primeiro esporte. E meu amor pelo futebol nunca diminuiu minha profunda paixão pelo atletismo e pelo basquete, além de fascínio e admiração por dezenas de outros esportes, em particular o judô. Gosto de cobrir quase qualquer esporte, já assisti campeonatos de críquete e quando percebi estava torcendo e comemorando.

Torcedores.com: Como entusiasta dos esportes olímpicos, como tem acompanhado a falta de legado do Rio-2016?
Tiago Maranhão: É um sentimento de desolação e desesperança com um forte componente de “eu já sabia”. Somos o país das oportunidades perdidas.