Extra-campo

Clubes de divisões inferiores do Brasilerão reclamam por não ter um campeonato rentável

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto reprodução/Fortaleza

Muitos clubes grandes estão na disputa da Série C do Campeonato Brasileiro e Série D, mas são prejudicados pelo campeonato não ser rentável aos clubes.

Clubes como Fortaleza, América de Natal, Portuguesa, CSA, Remo e Sampaio Corrêa são clubes muito tradicionais do futebol brasileiro que estão disputando a Série C e Série D do campeonato brasileiro. Esses clubes enriquecem os campeonatos deixando-os mais atrativos.

LEIA MAIS:
Lusa volta a vencer no Paulista da Série A2
Uma contratação de peso! Walter é a maior contratação do Atlético Goianiense na história
Ituano anuncia Roque Júnior como treinador

O Fortaleza sempre que chega na segunda fase da Série C, consegue colocar mais de 60 mil torcedores no estádio, além de sempre ser favorito no campeonato. O Remo também tem uma grande torcida e tem o posto de time grande nesta Série C.

Na Série D temos a Portuguesa que mesmo estando na última divisão do campeonato nacional, é um clube muito tradicional do futebol brasileiro, assim como o América de Natal. Porém esses clubes e o menores que sofrem ainda mais, pedem um pouquinho mais de atenção da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para pelo menos os clubes ganharem o dinheiro da cota de televisão.

Na Série A e na Série B, os clubes participantes ganham cotas de televisão, já na Série C e na Série D não é assim. A CBF só paga as passagens de avião para esses clubes, ou seja, os clubes não recebem o dinheiro de cotas de televisão e sua única fonte de renda para arcar com as despesas de salários e das partidas, são a bilheteria e patrocinadores.

Mas isso não é suficiente para os clubes, que convivem com salários atrasados e um déficit altíssimo, pois só uma partida de futebol já custa entorno de 30 a 40 mil, a média de folha salarial desses clubes não chega a R$ 300 mil, bem diferente dos clubes da elite que possuem folhas altíssimas de R$ 1 a 2 milhões.

No final de janeiro deste ano, os clubes da Série C foram exigir esse direito da CBF. O presidente do Botafogo/SP, Gerson Engracia Garcia é o líder do movimento para a melhora da Série C. Em entrevista ele declarou que foi um primeiro encontro muito positivo e está otimista na mudança da competição.

VEJA O QUE ELE DISSE:

Foi um primeiro encontro, bastante positivo, onde notamos uma abertura muito importante por parte da CBF. Eles estão dispostos a transformar a Série C em algo maior, como é feito na Série B, com cotas de TVs para os clubes. O campeonato fica mais atrativo, o nível técnico melhora e mais pessoas vão aos jogos, declarou o presidente Gerson Engracia Garcia.

Nenhum clube da Série D fez algum tipo de movimento ou reclamação para a CBF, alguns clubes até desistem de disputar a competição pela grave situação financeira. Atualmente a Série C e Série D é transmitida pela TV Brasil (Aberta) e Esporte Interativo (Fechada).

A CBF pune os clubes que atrasam salários e até chegam a retirar os clubes que não cumprem a regra dos campeonatos organizados pela entidade. Mas a CBF não dá apoio aos clubes, nem sequer há uma cota de televisão para esses clubes, assim fica muito complicado desses clubes disputarem os campeonatos e sobreviverem.