Futebol

Ponte Preta x Palmeiras: veja os números do confronto

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Ponte Preta x Palmeiras

Crédito: Crédito da imagem: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

O Estádio Moisés Lucarelli recebe nesta quarta (29) o jogo Ponte Preta x Palmeiras, válido pelo Campeonato Paulista.

Este será o jogo número 85 do confronto Ponte Preta x Palmeiras. O primeiro foi em 1939, ainda na época em que a equipe da capital se chamava Palestra Italia. O retrospecto é favorável ao alviverde, que venceu 40 e perdeu 18 – 26 empates. O adversário é uma “pedra no sapato” para o time de Campinas, que não tem vantagem mesmo quando joga no seu estádio – são 23 vitórias, 15 empates e 23 derrotas no Majestoso.

Em 1959 aconteceu a maior goleada do confronto, quando Romeiro aplicou um hat-trick na vitória por 6 a 1. Américo Murollo (2) e Julinho também balançaram as redes.

Ponte Preta x Palmeiras ainda podem se encontrar nas finais do Paulistão, mas o confronto garantido é no Campeonato Brasileiro. O último jogo aconteceu no Allianz Parque e terminou 2 a 2 – gols de Rafael Marques e Thiago Martins. O técnico da Ponte Preta era Eduardo Baptista, que hoje comanda o Palmeiras. O reencontro dele com o ex-clube aconteceu durante a pré-temporada, quando Lucas Barrios (atualmente no Grêmio) marcou no empate por 1 a 1.

FICHA TÉCNICA – Palmeiras 2 x 2 Ponte Preta
Campeonato Brasileiro 2016 – 21ª rodada
Arbitragem: Heber Roberto Lopes, Carlos Berkenbrock e Nadine Schramm Bastos
Público/renda: 29.138 pagantes / R$ 1.866.689,88
Cartões amarelos: Rafael Marques, Thiago Martins, Thiago Santos (PAL), Aranha, Thiago Galhardo, Reinaldo, Nino Paraíba, Fabio Ferreira (PON)
Gols: Rafael Marques (PAL), Wellington Paulista (PON), Thiago Martins (PAL), William Pottker (PON)
PALMEIRAS: Jailson; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo, Zé Roberto (Egídio, no intervalo); Tchê Tchê, Moisés e Cleiton Xavier (Allione, aos 21’/2ºT); Dudu, Rafael Marques e Róger Guedes (Thiago Santos, aos 26’/2ºT). Técnico: Cuca.
PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Douglas Grolli, Fabio Ferreira e Reinaldo; João Vitor, Maykon (Thiago Galhardo, no intervalo), Wendel (Abuda, aos 26’/2ºT) e Clayson; William Pottker (Rhayner, aos 28’/2ºT) e Wellington Paulista. Técnico: Eduardo Baptista.