Futebol

Abel Braga revela o motivo de sua decepção com o Internacional em 2014

Publicado às

Radialista, Jornalista com passagens como correspondente pelo site italiano CalcioNews24.com e pelo Arena Rubro-Negra. Atualmente setorista do Fluminense e Futebol Sul-Americano no Torcedores.com

Fluminense

Crédito: Crédito da imagem: NELSON PEREZ/FLUMINENSE F.C.

O técnico Abel Braga falou qual foi o motivo de sua decepção com o Internacional em 2014, mas deixou claro que não fica rancor ou mágoa durante sua passagem pelo colorado. Em entrevista ao site “UOL Esporte“, o treinador citou um exemplo e comentou sobre seu relacionamento com o ex-presidente Vitório Piffero no time gaúcho.

“Algumas decisões me causam decepção grande, mas não fica rancor ou mágoa. Vou citar um exemplo: o Inter em 2014. No último jogo de 2013, o Inter não caiu de divisão e me chamaram para a temporada seguinte. Era praticamente a mesma equipe. Ganhamos o Gaúcho sem estádio por causa da Copa. Aquele time que quase caiu terminou em terceiro no Brasileiro. Mas veio a eleição e houve um racha na volta do Vitório (Pífero, presidente até 2010 que foi eleito em 2014). Nada mais óbvio que, após seis passagens no clube, eu fosse mantido como treinador. Mas eles ficaram blefando. Depois de dez dias, ninguém tinha me preocuardo. Chamei um amigo com uma van, botei minhas coisas pessoais e mandei levar para o Rio. Fui do Rio para Miami e para Nova York”, diz.

LEIA MAIS:
COM PASSAGENS NOS QUATRO GRANDES DO RIO, ABEL EXPLICA SUA IDENTIFICAÇÃO MAIOR COM O FLU
ABEL BRAGA FALA SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO FLUMINENSE EM 2017

Para Abel Braga, a diretoria colocada blefou ao não cumprir as promessas feitas: “O pessoal estava com a esperança de levar o Tite e eles blefaram comigo. Disse que não ia mais para lá e avisei que já tinha dado minha palavra para o clube árabe. Mas eu fiquei louco. Tinha me programado para ficar dois ou três anos no Inter”, diz.

Por fim, o treinador lembrou de sua conversa com o ex-dirigente colorado: “Entre o dia 15 e 18 de dezembro, o Vitório liga e pergunta: ‘E aí, chega quando?’. Respondi que chegava no Rio perto do Natal. Aí ele responde: ‘Estou falando aqui’. Eu digo: ‘Aqui aonde?’. Naquele momento, achei uma ironia tão absurda”, completou.