Automobilismo

Alonso exalta novo chefe da McLaren após permissão para correr em Indy

Publicado às

Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.

Crédito: Foto: Getty Images

Fernando Alonso disse em coletiva realizada nesta quinta-feira (13), véspera do início das atividades do Grande Prêmio do Bahrein de Fórmula 1, que sua participação nas 500 Milhas de Indianápolis deste ano, anunciada na última quarta-feira, não seria possível caso o chefe da McLaren ainda fosse Ron Dennis.

O ex-dirigente deixou a equipe de Woking no início deste ano, e foi substituído por Zak Brown, diretor-executivo que, na visão de Alonso, é mais flexível em relação a Dennis, que não o deixaria participar da mais importante prova do automobilismo dos Estados Unidos.

“Acho que ele [Ron Dennis] não deixaria. “Zak é um homem que tem uma visão mais ampla do que os outros chefes que já tive. Ele vê o automobilismo de um jeito diferente, ele vê uma McLaren maior, não concentrada apenas na F1”, comentou Alonso.

“A McLaren já venceu em Le Mans algumas vezes, venceu a Indy 500 no passado, também. Ele é um competidor nato, então é ótimo que Zak tenha entrado na McLaren no ano passado”, seguiu o espanhol, que será o primeiro piloto regular da Fórmula 1 a disputar a Indy 500 desde 1994, com Nigel Mansell.

Alonso, porém, disse que se estivesse em uma posição mais favorável na atual temporada da Fórmula 1, não perderia uma prova do campeonato para correr em outra categoria. Para isso, o espanhol citou Lewis Hamilton e Sebastian Vettel como exemplos.

“Se o carro fosse competitivo e eu tivesse 43 pontos assim como os outros caras, eu não poderia me dar ao luxo de perder 25 pontos em uma corrida. As coisas seriam diferentes se fôssemos competitivos”, comentou o bicampeão mundial, que também pensou em correr em Le Mans neste ano.

“Definitivamente era algo que considerávamos. Zak é americano e queria que corrêssemos em Le Mans, e Eric é francês e queria que corrêssemos em Le Mans. A parceria McLaren-Honda permitiu que correr em Indianápolis fosse muito atrativo”, explicou.

“Le Mans é algo que eu farei o mais rápido possível, mas não sei se será no ano que vem ou nos outros. A prioridade é a Fórmula 1. Se eu puder conciliar a Fórmula 1 com outras categorias, como estou fazendo neste ano, será bom, mas, se não, farei apenas a Fórmula 1”, completou.

Foto: Getty Images