DESTAQUE

Delator revela que partidos tinham nome de times de futebol, em planilhas da Odebrecht

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Nomes de times de futebol eram usados em planilhas da Odebrecht, para representar partidos políticos; Imagem: Danillo Thadeu

Em meio aos escândalos e revelações que chocam cada vez mais o cenário da política brasileira, o esporte mais famoso do pais não ficou de fora. Luiz Eduardo Soares, ex-diretor da Odebrecht (empresa investigada na operação Lava Jato), entregou para o Ministério Público Federal, nesta semana uma tabela, com nomes de partidos em algumas planilhas do Departamento de Operações Estruturadas, conhecido por “Departamento da Propina”. O fato curioso, é que os partidos políticos eram apelidados com nomes de times de futebol.

LEIA TAMBÉM:

Saiba quais países a seleção brasileira mais enfrentou em Copas do Mundo

Opinião: A hipocrisia do fair play no futebol brasileiro

Após largar em 16º e terminar no pódio, caçula da F1 tira onda: “Parecia Videogame”

Os times mais populares do Brasil – Flamengo e Corinthians -, representavam os dois partidos que dominaram as eleições presidenciais dos últimos anos. O rubro negro simbolizava o PT (Partido dos Trabalhadores), enquanto o alvinegro paulistano, retratava o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira).

Ao todo, foram 18 partidos listados com nomes de times de futebol. Confira abaixo a lista completa.

 ABC = Sem partido/Representava políticos sem cargos

 Atlético Mineiro = PSOL

   Bahia = PDT

 Botafogo = PSD

 Corinthians = PSDB

Coritiba = PV

Cruzeiro = PP

Flamengo = PT

 Fluminense = DEM

 Grêmio = PDT

 Internacional = PMDB

 Náutico = PSC

 Palmeiras = PPS

 Remo = REDE

 Santa Cruz = PROS

 Santos = PRB

 São Paulo = PR

 Sport = PSB

 Vasco = PTB

 

E não para por aí. Além disso, alguns cargos políticos eram chamados por posições de jogadores em campo. O Presidência era o “centroavante” e o governador de “meia”. Os senadores foram apelidados de “ponta”. E deputados federais e estaduais eram, respectivamente, “volantes” e “zagueiros”. Os citados que não tinham cargo, mas pertenciam às bases dos partidos ganhavam o codinome de “goleiros”.

Cargos políticos eram comparados com posições de jogadores; Crédito Imagem/Danillo Thadeu