DESTAQUE

Opinião: Palmeiras, a vitória foi espetacular, mas não precisava ser desse jeito

Publicado às

Dennys Carvalho é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdade Integradas Alcântara Machado) e apaixonado por esportes. Já trabalhou na Rádio Escuta/Produção da REDETV!, operador de TV de uma empresa de monitoramento de mídia e Pós-Graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte.

Palmeiras

Crédito: Foto: Divulgação/César Greco

De novo nos acréscimos. Antes aos 50 minutos, agora aos 54 minutos. Isso tudo no segundo tempo. Haja coração, diria Galvão Bueno. O Palmeiras venceu o Peñarol e a arbitragem na noite desta quarta-feira (12), pela Copa Libertadores. 

O Palmeiras mostra que está em evolução, principalmente na Libertadores. É uma das melhores partidas do time no ano. Teve adversidades como tomar o gol e sair atrás do resultado, catimba dos uruguaios e juiz que não deixava o jogo andar.

Um pouco mais de 38 mil pessoas que acompanharam a partida, sofreram até o último lance da partida. Eu também sofri, na verdade, quem não sofreu? fazer um gol aos 54 minutos do segundo tempo, é literalmente um teste para cardíaco.

E ainda mais, temos um novo talismã. Antes era o Cristaldo, que entrava e já colocava a bola na rede. Agora é o Fabiano. O criticado lateral fez o gol do título brasileiro no ano passado contra a Chapecoense e agora, marca de cabeça, desempatando a partida. E vale aquela famosa frase: “Nunca Critiquei”. Obrigado, Fabiano!

E uns rivais falam: “Nossa, 8 minutos de acréscimo? o jogo continua até o Palmeiras fazer o gol né?”; Não é bem assim. Muito bla bla bla para que não assistiu a partida. Era 3 minutos que viraram 8, porque o juiz se perdeu no fim da partida e atrapalhou o jogo. Expulsou o Dudu, que queria bater a falta e o jogador adversário não deixava. Totalmente desnecessário esse cartão vermelho para o nosso camisa 7. Desfalque importante para a próxima rodada da competição.

Perdemos pênalti (com Miguel Borja), duas bolas na trave (com Tchê Tchê e William), uma delas INACREDITÁVEL e quem disse que foi fácil assim? O torcedor sabe que se não for sofrido, não é o Palmeiras, mas não precisava ser tanto. O alviverde venceu por 3 a 2 os uruguaios e lideramos o Grupo 5.

Se manter essa OBSESSÃO para vencer a libertadores, será difícil ganhar do Palmeiras. É visível a vontade dos jogadores e o papel da torcida nas arquibancadas do Allianz Parque. Todos estão juntos por um só objetivo e tenho toda certeza que no fim do ano, estaremos comemorando juntos.

#AVANTIPALESTRA